quarta-feira, janeiro 09, 2008

Sarkozy: ainda há "gajos machos"!

Não, o motivo deste post não é a foto. Nicolas Sarkozy também é um autêntico macho pela foto acima, mas não é isso que me faz escrever sobre ele. A reforma francesa continua e ontem Sarkozy fez questão de anunciar mais algumas, a saber:
- revisão do funcionamento da televisão pública francesa, através da eliminação da publicidade e da alteração das formas de financiamento dos canais públicos, recorrendo a taxas mínimas sobre receitas publicitárias nas cadeias privadas e nos novos meios de comunicação. De acordo com Sarkozy, se o modelo da televisão pública for o mesmo dos canais privados, não faz sentido existir televisão pública;
- aumento significativo do investimento nos media, promovendo a língua francesa nos meios de comunicação internacionais, e criação do novo canal de televisão France Monde que juntará os já existentes TV5, France 24 e Radio France num só meio;
- aumento da protecção feita aos jornalistas, sendo favorável à protecção feita pelos jornalistas
às suas fontes. Sarkozy entende que desta forma será possível aumentar a quantidade de jornalismo. Independentemente da qualidade de alguns meios de imprensa, o Presidente francês prefere ter "excesso de imprensa do que não ter imprensa";
- maior rigor nas políticas de imigração. Juntamente com Espanha e Itália, encetar-se-ão políticas mais restritivas que permitam os repatriamentos conjuntos de imigrantes ilegais;
- implementação de um sistema de quotas de entrada. Tal terá como fim o favorecimento da imigração que tem em vista única e exclusivamente o trabalho, em vez da imigração familiar. Inteligente e brilhantemente, Sarkozy defende aquilo que há muito devia ser defendido em Portugal: "a igualdade não é dar a cada um a mesma coisa, mas dar a cada um segundo as suas dificuldade, as suas limitações, a sua história". Existirá, assim, uma discriminação positiva em favor dos franceses de origem;
- aumento do número de horas de trabalho, acabando com as 35 horas semanais que prometiam, desde 2000, ser a solução para o desemprego em França, algo que nunca se verificou.

Não obstante tudo isto, Sarkozy é um indivíduo que defende claramente que os árabes devem ter acesso à tecnologia nuclear, aproveitando para lançar a França neste nicho de mercado. Defende o alargamento do G8 para mais países como China, Índia, Brasil e África do Sul, tendo assim representantes de praticamente todos os continentes.
Não se importa, ainda, de expor a vida pessoal. Alega que nada tem a esconder sobre a sua vida privada, fazendo referência à hipocrisia com que os seus antecessores lidavam com assuntos ligados ao foro privado.
Ainda há "gajos machos"! E Nicolas Sarkozy é um deles!

4 comentários:

Pedro Sá disse...

Quase tudo o que é proposto é ridículo:

1. O que é feito é meter as receitas publicitárias dos privados a pagar o canal público. O que não faz qualquer sentido. Aliás, em bom rigor é estar a retirar dinheiro do público para o privado, se virmos bem.

2. Já cá faltava o imperialismo da promoção da língua, essa ridícula obsessão francesa tão copiada por cá.

3. Nós já tivemos em Portugal a ridícula lei do Paulo Portas fixando quotas de entrada. E que era um absurdo lógico: a sua consequência óbvia era que quase toda a imigração fosse ilegal. Para além disso, impedir reagrupamentos familiares nestes termos é um total absurdo. É desumano. Uma coisa é o Estado abster-se de qualquer tipo de prestação relativamente a quem chegue e não trabalhe. Outra coisa é impedir isso pura e simplesmente.

4. É um FROUXO. Conheceu-a há dois meses, namoram há um, oferece-lhe anéis de brilhantes e vai casar ????

Pedro Sá disse...

E antes que me esqueça. Aumento do número de horas de trabalho é uma solução terceiro-mundista. Mas isso foi proposto na campanha eleitoral. Votaram nele, agora aguentem-se. Chato é para quem não votou...

Pinokio disse...

Pedro sá, com todo o respeito que tenho por ti, não fales do que não sabes. Até aceito os teus primeiros argumentos, embora discorde deles, não totalmente mas em parte.

A parte do trabalho só te posso dizer que não sabes o que dizes. Não conheço ninguém em França, e atenção que conheço muitissima gente, lol, que esteja contra o aumento das horas de trabalho. Mais, toda a gente anseia por isso, já que vão poder ganhar mais. É que aqueles que trabalham e não aqueles que tão com o rabinho numa cadeira à espera que o Estado lhes dê um carro porque é mais...dignificante da profissão (lol), sabem que desde que o euro apareceu e desde que a Europa está em recessão que começaram a ter o que não tinham tido até então, dificuldades económicas.

Pedro Sá disse...

Taxe-se o dumping social. Ponto.