quinta-feira, novembro 29, 2007

E se fosse na Inglaterra?

As notícias dão-nos conta de uma professora inglesa que exercia a sua profissão no Sudão e que foi condenada a 15 dias de prisão e a expulsão do país porque permitiu que os seus alunos chamassem Mohammed a um urso de peluche durante um exercício da aula. Está a ser acusada de blasfémias e insultos à fé e à religião.
A pergunta que faço é muito simples: e se fosse um professor sudanês a leccionar em Inglaterra e o quisessem expulsar do país por cometer um crime considerado grave no Reino Unido? Todos sabemos que a resposta seria a mesma que foi dada quando uma professora na Alemanha queria exercer a sua profissão respeitando os usos e costumes do seu país e não os do país no qual se encontrava, querendo usar o hijab. A mesma situação ocorreu com duas alunas em França que foram expulsas por quererem usar este mesmo adereço obrigatório pelos usos e costumes do seu país. Com estrangeiros na Europa estamos diante de racismo e intolerância religiosa porque os mesmos se recusam a cumprir as regras do país que visitam, mesmo que as saibam de cor. No entanto, quando são os europeus que marcam presença nesses mesmos países, já têm que respeitar os usos e costumes locais, até mesmo aqueles que não fazem ideia que existem, sendo severamente castigados e humilhados se não o fizerem.
Afinal, onde está o racismo e a intolerância?

8 comentários:

Pinokio disse...

Acho que a Europa anda demasiado vergada às minorias em vez de defender a sua identidade. Quem vêm para cá tem de aprender a viver na sociedade em que está, se não gosta que volte para o país de onde veio.Já em França eu vejo essa cambada de "racaille" tão bem apelidade por Sarkozy, a fazer merda até mais não e sempre que a policia faz algo é logo racismo. Assisti a cenas degradantes no ano novo, os tão celebres carros incendiados, que acontece ano após ano, e a policia pouco pode fazer. Quando questionados os turcos e essa merda árabe que por lá anda a resposta foi espantosa, não estão no país deles... porque se estivessem mal fossem apanhados levavam da policia ali na rua ou cortavam-lhes as mãos. Deviamos agir como a Suécia que não se vergou aos árabes por causa das tais imagens em BD dos árabes.Se estão mal num país que não é o deles que voltem para as suas origens. E turquia na UE espero que nunca.

Pinokio disse...

http://www.correiodamanha.pt/noticia.asp?id=267683&idCanal=90

Marta Rebelo estreou-se ontem na Assembleia da República em substituição do deputado socialista Vera Jardim, que suspendeu o mandato por razões de saúde.

Nem um mês após ter sido suspensa das funções na FDL, eis que a incompetente já arranjou um tachinho para ter a vida feita. Espera-se que fique de boca calada, isto se comparecer e não ficar nos gabinetes, visto que quando fala pouco diz.

Se os boatos sobre a maneira como esta ignorante subiu na FDL forem reais, quem será que foi o eleito horizontal dentro do Ps que foi o escolhido?

Ghostinhas disse...

Mas qual foi a parte do "fundamentalismo" que te escapou, Ale ?

Pedro Sá disse...

1. Mas qual tachinho ? Ela já era chefe de gabinete do Subsecretário de Estado da Administração Interna, portanto...

2. Eu nem vou comentar os insultos gratuitos que são feitos à Turquia, no mínimo indecentes. A Turquia é um Estado de Direito, e que espero ver na UE tão cedo quanto possível!

3. "Essa merda árabe"...afinal o racismo já chegou aos comentadores.

4. Convenhamos que esta cena do Sudão é mesmo idiota. As criancinhas provavelmente à conta do fundamentalismo caseiro quiseram chamar Mohammed ao urso e ela antes que lhe dissessem alguma coisa disse logo que sim.

DJ disse...

Pinokio,

"racaille", conforme disse Sarkozy, não é o imigrante no geral. "Racaille" é quem contribui para a violência e criminalidade na região em causa. Existem muitos imigrantes correctos, honestos, que são gente séria e de trabalho. No entanto, é tão "racaille" os nacionais como os estrangeiros. O problema é que não temos que ser obrigados a levar com a "racaille" dos outros, tal como os outros não têm que levar com a nossa.

Pinokio disse...

Pedro Sá,
O tachinho que ela tinha antes não era grande coisa comparado com o que tem agora. Foi preciso ser posta fora da fdl para ter um cargo maior. E sim, tachinho, ou por acaso a dita cuja conseguia estar a dar aulas, ter o tachinho no Governo e ainda ter o tachinho na CML no anterior executivo ? Deve ser polivalente e omnipotente a senhora...

2- Insultos gratuitos feitos à Turquia? Sai do país sff, volto a recomendar-te um mesito ali por Estrasburgo, não só para veres que não é um carro que faz um deputado mais competente, visto que muitos eurodeputados vão de bicicleta para o Parlamento Europeu, como para veres como é a comunidade turca. É que falar sem saber é tudo muito bonito, em Portugal essa comunidade existe sequer?? Depois de conviver bastante com eles, tenho todo o conhecimento para dizer que Turquia na UE espero que nunca, os turcos não possuem mentalidade suficiente para aderir à Europa.

3- Podes chamar-lhe racismo eu chamo realismo.

DJ,

não me venhas ensinar francês, lol, recaille é a escumalha que Sarkozy falava. Não são necessariamente todos os emigrantes, até porque senão estariam muitos portugueses e outros ofendidos. Eu sei bem a quem é que ele apelidou de recaille, e como todos sabem foram aos emigrantes jovens das ex-colónias francesas e à cambada de turcos e árabes que existem em França, que só por acaso são esses os que vivem nos bairros dos arredores de Paris.

Miki disse...

epá, o meu cão chama-se Yussuf...é melhor ter cuidado senão ainda vou preso :x

Luís Rocha disse...

Totalmente de acordo com o ponto 2 do Pinokio.