sexta-feira, outubro 19, 2007

Robert Mugabe (I)

Já manifestei a minha opinião sobre o "amuo" de Gordon Brown relativamente a Robert Mugabe. Sou contra estas birras e amuos de Brown e tudo se deve ao facto de ter sido com Mugabe que o Zimbábue se retirou da Commonwealth, bem como à forma como os britânicos foram expulsos daquele país. Brown e os seus conterrâneos estão despeitados com tudo isto. Toda a gente sabe que os ingleses pouco se importam com a violação dos direitos humanos quer no Zimbábue, quer no continente africano, no geral. Deixemo-nos de hipocrisias.
Outra coisa diferente é aqueles que realmente se importam com os direitos humanos e com verdadeiros terroristas, como é o caso de Mugabe, e não se importam de se sentar à mesa com eles, como é o caso português. Sócrates quer seguir os sábios conselhos de Mário Soares que deu como solução para o terrorismo internacional que todos se sentem à mesa e cheguem a um acordo. Quando lidamos com terroristas, sentar à mesa e chegar a um acordo não pode ser solução! Simplesmente não se negoceia com terroristas. Nem é pelas políticas de Mugabe que Sócrates o pretende receber cá, é mesmo pela cimeira UE-África, mas isso não tira do ditador africano a mancha que perdura sobre ele há mais de uma década.
Outro coisa também diferente é o facto de Robert Mugabe se encontrar interdito de entrar em qualquer um dos Estados-Membros, mas poder marcar presença em Portugal, isto depois de já ter estado em Itália, a propósito do funeral de Pavarotti. Ou seja, esta interdição serve para quê? Mugabe entra e sai quando quer e ninguém o afronta. Nem mesmo o tão poderoso Gordon Brown, que em vez de agir contra Mugabe, se deixa contagiar pela cólera por ver um terrorista entrar na Europa de consciência tranquila. Não deixa de ser irónico que seja durante a Presidência portuguesa da União Europeia que a interdição seja desrespeitada pelo país que se encontra no poder. Não só não faz sentido que assim seja, como tira toda a autoridade à UE o facto de Sócrates "não se importar" que Robert Mugabe venha a Portugal.

3 comentários:

Pedro Sá disse...

O post não tem pés nem cabeça. Pela simples razão que Mugabe tem todos os defeitos e mais algum e é indubitavelmente um ditador que rouba o povo, mas chamar-lhe terrorista é no mínimo exagero.

Filipe de Arede Nunes disse...

Discordo profundamente do Pedro Sá. Se ele aterroriza a população do seu próprio país, certamente que é um terrorista!

DJ disse...

O terrorismo conhece muitas outras formas que não a de bombardear locais repletos de pessoas.