domingo, agosto 26, 2007

Nomes

Parece que os pais portugueses andam a dar aos filhos nomes como Adamastor, Adónis, Ariel, Briolanjo, Deusdedito, Diva, Fânia, Fernão de Magalhães, Homero, Lua, Marlon, Nânci, Querubim, Quévin, Ringo e Zara.
Pergunto se tal não será motivo suficiente para a propositura de uma acção judicial pela vítima de tal atentado, entre outros, à personalidade e desenvolvimento da criança. O nome diz muito de alguém, e estes "nomes" parecem autênticos atentados contra alguém.

9 comentários:

Pedro Sá disse...

1. A lei portuguesa até é extremamente restritiva nessa matéria.

2. Por acaso conheço um Ariel, e não me parece que seja minimamente traumatizado.

3. Há aí alguns nomes que só é permitido dar se os pais forem estrangeiros, designadamente brasileiros (pelo que vejo em concreto).

4. Eu por acaso acho ridículas as grafias Nânci e Quévin.

5. Realmente meteres o nome Homero ao barulho é de muito mau gosto. Por todas as razões.

DJ disse...

Sabes qual é a inspiração para o nome Ariel?

Homero é um poeta mítico. Não lhe retiro o mérito. Mas daí a pôr esse nome num filho, parece-me demais. Porque não chamar Ésquilo a um filho? Ou Sófocles, Eurípides, Hesíodo e Píndaro?

Sobre os brasileiros, ou outros, que colocam nos filhos nomes não portugueses, sou totalmente contra. Estamos em Portugal, vivemos e estamos integrados na cultura portuguesa. Quem não gosta, ou não concorda com ela, parta. Aqui em Portugal, quem cá nasça, recebe os valores portugueses, nos quais se incluem os nomes.

Por último, tenho a dizer que a nossa lei é restritiva nesta matéria, mas já não é tanto assim. Afinal, estes nomes aqui colocados são a prova disso.

Fantasma da Ópera disse...

Sinceramente aquele que gosto mais é o portuguesíssimo "Quévin"...pelo amor de Deus, ao menos permitam o normal "Kevin"...mas pensando nisso...a nossa lei sempre foi muito estúpida nesses aspectos. Há 19 anos atrás o meu pai teve uma querela no registo porque queria chamar "Kátia" à minha irmã, e eles só permitiam o nome com "C"...o meu pai anuiu e lá ficou "Cátia"...1 mês depois e com as papeladas todas já tratadas, ligaram-lhe a perguntar se queria alterar para "Kátia" que já tinha sido autorizado o nome com "K"...

DJ disse...

Com o devido respeito, essa do Kátia com K, é como aquela do Anna, ou Sofya. Enfim...

Pedro Sá disse...

Quando a lei mudou, basicamente o que mudou foi permitir que sejam atribuídos nomes ligados à nacionalidade e/ou religião dos pais. O que faz todo o sentido.

Por exemplo, por que razão um filho de ucranianos não se poderá chamar Mikhail ?

Para além disso, essa ligação entre valores e cultura portuguesa e os nomes das pessoas é pura e simplesmente ridícula. Não existe, ponto. Já parece a lei idiota que existia pelo menos nos primeiros tempos do salazarismo que quando um estrangeiro se naturalizava tinha que adoptar um nome português...

Fantasma da Ópera disse...

Ah e esquecime de mencionar isto: "Kátia" não podia ser...mas o original em russo "Katyuska" já era autorizado...
O porquê de querer chamar "Kátia" à minha irmã, é algo que ainda estou para descobrir...
Eu acho mal não se permitir dar certos nomes estrangeiros a crianças portuguesas...mas acho pior ainda obrigarem a aportuguesar os nomes. Se eu quiser chamar William ou James a um filho porque raio tenho eu de ter que optar pelo "Guilherme" ou "Jaime" se não são esses os nomes que quero dar à criança?
(Quanto aos Ringos, Zaras e Querubins acho bem que não se permitam...senão qualquer dia querem chamar bidé a um filho)

DJ disse...

Fantasma, os Ringos, Zaras e Querubins foram autorizados...

Fantasma da Ópera disse...

Pronto...nesse caso daqui a muitos anos se Deus quiser, já não terei de ficar espantado se o meu filho na escola tiver um colega chamado Bidé Frederico...
Este País começa a tornar-se ridículo.

Pinokio disse...

O país começa a ficar ridículo porque?? Porque começa a haver a liberdade de dar ao filho o nome que se quer?? Estranho caso este que já acontece em muitos países europeus há largos anos. Foi pena foi só ter sido introduzido agora. Não vejo nada de mal chamar Zara a uma filha, aquilo que não concordo será obrigarem-me a dar um nome que esteja disposto no prontuário só porque tem de ser um nome evidentemente português. Como se os portugueses ficassem menos portugueses por um nome.

btw, criticar fernão de magalhaes quando já é um nome portugues bem antigo..

Fernão de Magalhães, algumas vezes referenciado como Fernando de Magalhães, (primavera de 1480 — 27 de abril de 1521) foi um navegador português que, ao serviço do rei de Espanha, comandou a expedição marítima que efectuou a primeira viagem de circum-navegação ao globo. Foi o primeiro a dobrar estreito hoje conhecido pelo seu nome (o Estreito de Magalhães) e o primeiro europeu a navegar no Oceano Pacífico. Fernão de Magalhães morre nas Filipinas no curso daquela expedição, posteriormente chefiada por Juan Sebastián Elcano 1522.