sexta-feira, agosto 31, 2007

"Isso daqui 'tá virando zona!"

"Um número recorde de britânicos está a trocar o seu país por destinos mais seguros, mais quentes e com menores níveis de imigração, de acordo com a mais recente estatística realizada pelo Governo. No total, entre Julho de 2005 e Julho de 2006, foram 196 mil os que decidiram partir, uma cifra sem precedentes e que contrasta com os 574 mil imigrantes que entraram no país durante o mesmo período. (...)

Entre os britânicos que partiram, os destinos mais populares foram Austrália, Espanha, Estados Unidos, Nova Zelândia e França. Mas o movimento de britânicos não é apenas de dentro para fora. Dentro de Inglaterra, por exemplo, cidadãos de nacionalidade britânica começam a escolher regiões com menores níveis de imigração.

Durante o período em causa, o Sul de Inglaterra - que alberga grande parte dos imigrantes no país - assistiu a um êxodo fora do comum, particularmente por parte da classe média inglesa. O fenómeno levou ainda à saída de 240 mil britânicos da capital para outras zonas rurais dentro do Reino Unido.

Peritos defendem que os elevados níveis de emigração e migração revelam que os britânicos se começam a cansar da vida no seu próprio país e procuram uma vida melhor noutros locais. As altas taxas de criminalidade, o clima e a imigração são as principais causas apontadas.

"As pessoas não acreditam que o sistema tem capacidade para receber o elevado número de pessoas que estão a entrar no Reino Unido", defende Liam Clifford, consultor para a empresa Global Visas."

Fonte: Jornal de Notícias

Não é só no Reino Unido que este fenómeno se verifica. Em França, Espanha, Itália e Portugal, também. Identidade nacional é coisa que cada vez existe menos e tende a diminuir mais ainda. Nada contra os estrangeiros, pelos quais tenho muito respeito. Mas há que manter regras e critérios de entradas de estrangeiros no nosso país. Portugal, com as recentes alterações legislativas, caminha para um albergue, para um género de Santa Casa da Misericórdia, exigindo pouco ou nada aos estrangeiros, e dando-lhes tudo. Ponham os olhos nas recentes políticas da França, do Luxemburgo, e dos países escandinavos.
Portugal ou altera a sua forma de ver as coisas e desenvolve políticas de controlo de imigração, ou terá mais problemas a nível económico e securitário do que aqueles que já tem. Integrar e receber, sim, mas com condições. Na casa dos que nos representam na Assembleia da República, Governo, etc, não é qualquer um que entra. Assim sendo, porque motivo no nosso País, a casa de todos nós, entra quem quer e como quer, mesmo que não tenhamos condições para tal? Não existem países com capacidade economico-social para acolher essas pessoas? Como diria o Pepe, em "bom português": "Isso daqui 'tá virando zona!"

3 comentários:

MARTIN disse...

E se os paises que receberam os milhões de portugueses que foram forçados a emigrar nos ultimos 50 anos tivessem tido a mesma atitude xenofoba que aqui se aplaude?

DJ disse...

Insisto que as pessoas confundem xenofobia com políticas de imigração. Existem diferenças, sabe? E não são poucas...

Pinokio disse...

o problema é que se ele disser que sabe é censurado. O medo que já impera aqui é grande.