quinta-feira, agosto 30, 2007

A casa da Joana (II)

O Governo decidiu conceder "borlas" no respeitante à legalização de imigrantes ilegais. Via aberta para que qualquer um se possa legalizar. O resultado acabou por ser o excesso de adesão à "campanha", por parte dos imigrantes. Chegou ao cúmulo de só a linha do SEF ter recebido mais de 900 mil chamadas em cinco dias!! Pessoas haviam que só após vários dias de tentativas conseguíam ser atendidas.
O que isto tudo revela é que o Governo decidiu legalizar por legalizar, sem estabelecer critérios, daí que qualquer um queira a respectiva legalização. Não fosse a suspensão da eficácia da Lei 23/2007, e Portugal seria uma espécie de "Casa da Joana", tendo chegado ao absurdo de terem chegado ao nosso país imigrantes em Itália e em Espanha, só para obterem a legalização e poderem circular na Europa!
Basicamente, assim como Portugal serve de portal de entrada da droga, também serve agora para portal de entrada de imigrantes sem quaisquer condições de entrada na Europa! Tudo por culpa do partido que está no poder actualmente: o PS!
Bem que eu tinha avisado para os perigos de não termos uma política rígida de controlo da imigração, e os mais recentes acontecimentos têm provado que tinha, e tenho, razão. O objectivo dos imigrantes ilegais é só um e todos já sabemos: a obtenção de nacionalidade! Entram em Portugal como querem, têm os documentos que quiserem só para depois poderem circular na Europa e fazerem o que bem quiserem! Acham mesmo que os imigrantes querem Portugal para alguma coisa? Portugal, enquanto Estado, tem o mesmo valor que os clubes de futebol nacionais para os estrangeiros: servem de trampolim para voos mais altos, um dia mais tarde. É para isto que serve o nosso país! Pergunta: deverá esta gente ter documentação suficiente para estar legalizada em Portugal? Para que queremos nós legalizar mais serventes, mais gente da limpeza, mais empregados de balcão, entre tantos outros, se cá já temos com fartura? Não venham com a desculpa de "os portugueses não quererem fazer esses serviços e mas querem fazer lá fora", porque se pagassem em Portugal metade do que pagam lá fora, até eu me metia numa dessas profissões "que qualquer um tem capacidade de fazer". Este caos lançado pelo Governo só prejudica a nossa economia e ajuda a disparar o número de desempregados portugueses. Não há como competir com esta mão-de-obra quase gratuita.
Portugal tem que ter regras bem mais rígidas no tocante à entrada, saída e obtenção de documentos por parte de estrangeiros, rever a lei a nacionalidade urgentemente, e aplicar esses critérios já revistos. Esta notícia só prova que a solução do "deixa-os entrar" é errada e prejudicial aos interesses nacionais! Mais uma vez, já que ninguém faz nada, peço ao Presidente da República que faça! Portugal não pode ser um instrumento nas mãos de qualquer um que dele se queira servir. É imperativo que se faça alguma coisa nesta matéria!

1 comentário:

Suspeita disse...

Acho que o teu discurso é perigoso... É óbvio que tem que haver regras impostas pelo Estado, mas tu vais buscar argumentos perigosos.

Os emigrantes fazem, de facto, o trabalho que os portugueses não querem, recebendo uma miséria!! Mas que será mais do que aquilo que recebiam no seu país de origem.

Conheço muita gente estrangeira que cá está para trabalhar, gente honesta, que desconta e está legalizada.

Pelo trabalho que tenho, conheço muitos portugueses, nascidos e criados aqui, que NÃO QUEREM TRABALHAR. Vivem de Rendimentos Socias de Inserção, de Subsídios de Desemprego e de Bolsas de Formação, em que chegam a receber mais de 1000 euros por mês sem levantar o cu do sofá para fazer rigorosamente NADA!!

Há desempregados, porque o país está em crise, porque este e outros governos do PSD não são competentes e porque há muito boa gente que pura e simplesmente se habituou a não fazer nenhum e a viver à mama do estado. E olha que não são os estrangeiros...