terça-feira, junho 26, 2007

O Rei vai nu pela AAFDL...

... e não é coisa que dê gosto ver!
É engraçado saber que a AAFDL se insurge contra o Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, promovendo e participando de vigílias, que mais não servem do que para fazer barulho, como se alguma destas barulheiras estudantis tivessem dado algum resultado. Já dizia nos tempos em que pertencia à Direcção da AAFDL e direi sempre: não se negoceia com terroristas, nem se vai lá pelo barulho. Vai-se lá pela acção! Sim, participei de algumas, mas numas foi na minha inocência, acreditando que realmente algo poderia mudar e porque acreditei sempre que era possível dar o passo em frente: passar à acção, sendo a manifestação apenas o aviso! A sério que acreditava nisto e quem me é próximo sabe que sou assim: quando a via convencional não resolve, temos que partir para a via legal, e aqui vinga a lei do povo!
Mais engraçado ainda é esta revolta toda da AAFDL, quando abafaram por completo aqueles dias de Março de 2005, em que a força da união dos alunos fez história! Já não é a primeira Direcção da AAFDL que simplesmente ignora aqueles dias que marcaram uma geração, e fizeram história para as gerações vindouras. Graças a esses dias, os alunos mostraram que não são cobaias das experiências de alguns que pela Faculdade de Direito de Lisboa se passeavam e mandavam. Mas logo a Direcção seguinte começou a estragar tudo, ao ignorar aqueles dias, recusando-se festejá-los porque estavam "numa negociação importante com o Conselho Directivo, que poderia trazer vantagens para a AAFDL". Então, optaram pelo silêncio. A presente Direcção fez o mesmo: nem uma folha A4 escrita à mão que fosse, a propósito dos dois anos de um capítulo histórico para a FDL e para a AAFDL. Não só não fizeram absolutamente nada, como ainda se faziam esquecidos.
Outro ponto curioso é o facto de agora a AAFDL não dar como desculpa estas coisas serem da competência da Faculdade. Na verdade, para o caso "Futurália" o entendimento era outro. Para a Futurália, a competência já era da FDL e não é a AAFDL que se vai imiscuir nas funções daquela. Agora o entendimento é outro. Porque será? Porque alguns alunos têm mais possibilidades de dar nas vistas neste tipo de movimentos. Até já adivinho alguns dos que se vão chegar à frente. Não é difícil.
Meninos, não se esqueçam que estão e levar a AAFDL para aquilo em que ela estava há alguns anos atrás: uma feira de vaidades, onde cada um tenta puxar a brasa à sua sardinha da forma que pode. O aparelhismo partidário estraga tudo, e as ambições partidárias desmesuradas mais ainda. No meio disto tudo, tenho pena daqueles que se dão aos lugares pelos quais são responsáveis, apenas por mero gosto e por vontade de se dedicarem à Academia e aos alunos. Admiro quem se dedica sem fazer da AAFDL um trampolim. Existem alguns. Sempre existiram e continuarão a existir.
Apagar a história, é algo que é impossível, felizmente, mas que estão a tentar passar algumas folhas à frente e reduzi-la a um mero parágrafo de um livro enorme, isso estão! A AAFDL está a voltar aos tempos em que se aderia a manifestações porque os amigos dos partidos iam lá estar e porque podiam ser vistos, e aos tempos em que muito se berrava, muito barulho se fazia, e muita coreografia se encenava, e muito cartaz se pintava, mas nunca se retiraram resultados práticos!
Não se negoceia com terroristas, até porque eles não sabem negociar! As coisas só vão lá à força. É a única forma. É assim que se vê a força dos estudantes. Não é com gritos, rimas e cartazes que se vai lá. A não ser que queiram ser vistos por pessoas que vos podem abrir portas no futuro, mas aí a conversa é outra.
Caros amigos, como é que alguém pode querer mudar o mundo, se nem a sua casa consegue mudar?

20 comentários:

Carla disse...

Umas quantas coisinhas:
1-Falas em terroristas e que não se pode negociar com estes (creio que te estás a referir ao Ministro),e se és contra as manifestações,então qual a melhor forma de um estudante se mostrar descontente? Invadir a Assembleia?

2-Louvo aqueles que não estão na AAFDL a fazer um favorzinho ao partido que representam.Mas gostava de saber nomes. Ou se chama as coisas pelos nomes ou então não se diz nada.
E até te posso dizer,coisa engraçada repara bem,que bonito é aquele menino que se diz independente aquando das eleições da AAUL e depois no pasquim a que chamam jornal da sua juventude partidária apresenta um maior número de cargos que a minha lista de compras.E para não veres que eu mando bocas para o ar,estou a falar do João Gomes.

3-Concordo plenamente contigo em relação à Futurália.Eu estive lá e bem podes fazer a comparação com o stand da Nova.E depois querem mais estudantes...

Sara Covas

Pedro Sá disse...

1. Dos anos em que andei na FDL, se querem que vos diga acho os arrivistas que não estão metidos em políticas muito piores que os outros.
Pela simples razão que esses procuram o aumentar do seu ego, ponto.

2. Mas há alguém que escolha um curso e uma faculdade por causa de um stand ? Se sim, só se está a desqualificar.

Pinokio disse...

Pedro Sá, não sejas assim. Não há quem escolha por um stand mas há quem peça informações antes de se candidatar a um curso.E nesse sentido é que a fdl deveria estar lá, ou não, a ajudar os futuros estudantes.
Sinceramente essas politiquices que se passam na fdl e aafdl dão-me sono.

João disse...

É sublime ouvir ressabiados a falar!!! Tenho pena de ti... E até aposto que já leste a proposta de lei! Para mim não passas de uma tentativa de "fazedor de opinião", que fala sem conhecimento e sem razão.
Nunca como nos últimos meses os estudantes escreveram tantos pareceres sobre este regime, individual e colectivamente. Os estudantes estão a tentar seguir um rumo de pró-actividade. Antes de se agir, pensa-se! Acho que tens de ver o "Brave Heart": sim...o filme encerra uma grande moral! A partir do momento que criticas o modo de actuação da AAFDL criticas igualmente a minha actuação enquanto Vogal do Departamento de Política Educativa. Quando quiseres criticar vem falar comigo ou liga-me! É por isso que este post é uma "defesa de honra", de uma pessoa que esta certa de não querer qualquer protagonismo e da necessidade de mudar o Associativismo Estudantil na sua maneira de agir e actuar.

Luís Rocha disse...

DJ, deixe-me adivinhar....OOOOOOm......vc esteve metido nos acontecimentos de Maio de 2005 e não quer perceber que os 15 minutos do Warholl são mesmo só 15 minutos. Estou certo?

DJ disse...

Sara,

a manifestação tem sempre validade enquanto aviso. Uma forma de se mostrar que as coisas não vão bem. Uma antecipação para o passo seguinte. Naturalmente que nem tudo se resolve com uma invasão à AR ou com um encerramento de Faculdade. Todas as situações têm que ser avaliadas casuisticamente.

A propósito das actuações de terceiros não me cabe a mim avaliá-las, mas a quem assiste às mesmas diariamente. Acho que as pessoas têm tido os olhos abertos para a postura de quem se apregoa e assume como tendo posições que na verdade não tem, ou assumindo-se como algo que não é. Do que tenho visto, muitas dessas situações têm sido desmascaradas.

DJ disse...

João,

é pública a minha opinião sobre ti e sobre o teu trabalho e capacidade. Não me vou repetir, porque todos sabem o que penso a propósito disso.

Deixa-me dizer-te que não estou ressabiado, mas triste. Triste por ver que facilmente quiseram apagar ou esquecer a história da FDL. Possivelmente tu não compreendes o que se passou, porque ainda não estavas lá. Não te censuro. Mas se, por exemplo, no ano passado não tiveste exames de 2 em 2 dias, podes agradecer a Março de 2005. Tu teres um Conselho Directivo, podes agradecer a Março de 2005. Os alunos terem sido respeitados na FDL, podes agradecer a Março de 2005.
Sinto-me mais triste ainda, não pela postura dos que chegaram a partir de 2005, mas pelos que já lá estavam, que eram centenas, dos quais eu era apenas um dessas centenas, e muitos dos que estão hoje na Direcção da AAFDL e estavam na anterior, pertenciam ao grupo que fez o Março de 2005 possível. Isso é que me entristece. Sabem o que foi feito e estão a ignorar história que eles próprios ajudaram a fazer.
Realmente tens razão, sou um fazedor de opinião. Faço a minha e não deixo que pensem por mim. Todos deviam fazer o mesmo. Em vez de se envolverem em aparelhos partidários e ambições que os levam à loucura, deviam pensar por eles mesmos. Emprenhar pelos ouvidos é mau e revela pouca personalidade e carácter. Orgulho-me por ser um fazedor de opinião e espero que assim seja até ao fim dos meus dias.
Continuo com o mesmo respeito por ti enquanto pessoa, enquanto profissional e pela capacidade que sei que tens e torço para que não te deixes envolver pelo aparelho ao qual pertences. Se assim for, só terás a ganhar. Tu e todos os que forem sujeitos da tua actuação futura.

Angie disse...

Exames de dois em dois dias não tivemos, nisso tens toda a razão... Mas exame passado três dias tivemos, e a quem devemos agradecer??? De acordo com o então presidente do Conselho directivo, após um pedido de explicação na altura, devemos agradecer à grande associação da altura, que só defendia certos interesses.

DJ disse...

Angie não é essa a verdade. As pessoas fazem tudo para lavar as mãos e passar a batata quente a outro. A AAFDL no ano passado fez tudo o que pôde para que todos tivessem vários dias para estudar. Mas o que o CD na altura dizia era que tal não era possível por falta de disponibilidade de salas. Sem salas, não havia como realizar os exames.
Verdade seja dita que só o 1.º e o 3.º ano tiveram um exame ao fim de 3 dias, tendo nos outros tempo necessário para estudar.

Márcio Almeida disse...

Sem querer entar directamente no tema...
Apenas algumas notas soltas:
1.É saudavel,democrático e pode até ser necessário,ter alunos e ex alunos que se interessem e a expressar opiniões,a dar ideias,a fazer crítica etc sobre as demais questões académicas ,associativas etc.
2.Continuo a nao perceber a razão de tanta irritabilidade de alguns representantes dos alunos que,ao invés de verem na crítica um contributo para uma melhoria,parecem ver em cada crítica um ataque hostil com interesses por associativos por tras.
3.Covas gosto muito de ti(e tu sabes) mas espero que não sejas mais uma a juntar-se a essa fixação(obsessão) doentia pelo colega Joao Gomes
Grande abraço Alex =)

Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras disse...

Isto é um dejá vu. Mudam-se os tempos, mas nem sempre se mudam as vontades. Sou de antes de 2005 e lembro-me de escrever e desabafar algo muito parecido ao que aqui escreveste hoje. Enfim...

No entanto, louvo a tua dedicação, por continuares a "lutar" pelo melhor para a FDL.
Confesso, que eu já há muito perdi essa dedicação à AAFDL. No entanto, o mesmo já não posso dizer da AAL,ou pela SAL onde estive anos e anos a fio e ainda hoje corro muitas vezes para a socorrer. Há coisas que nos ficam na alma, não é?
Um beijo para ti
Um bom dia

PintoRibeiro disse...

E enquanto for...
(Linkeite ).
Abraço,

DJ disse...

Subscrevo por inteiro a opinião do Márcio.

Márcio, grande abraço para ti :)

Pinokio disse...

Ora como já me lembro do que é que foi isso de 2005, acto que estive presente e agradeço imenso ter acontecido, deixo aqui a sugestão para os membros da aafdl. Os exames de coicidencia são marcados sucessivamente para dias a seguir uns aos outros,sem sequer haver mais que 24 horas por exame. Tendo em conta que a maioria dos alunos que têm exames de coicidencia, estes são do ano anterior ao que estão, seria de louvar que se conciliassem estes com os exames do ano. Porque de tanto vale fazer os do presente ano como os do anterior. Chumbo na mesma se continuar a deixar as cadeiras anteriores para trás. Creio que com um minimo de interesse se conseguia resolver esta situação. E espero que a luta da aafdl seja continua, para que se consiga de uma x por todas, a correcção de exames mantendo-se a anonimidade dos alunos para os professores que os corrigem e a obrigação de, tal como nos exames nacionais, haver sempre e obrigatoriamente uma grelha de correcção. Pois o pedido de requerimento é muito bonito mas bonito e imparcial seria sair a grelha. Quem não deve não teme, e muitos professores parece que continuam a ter medo de por a grelha de correcção cá fora para os alunos poderem ver.

Genghis_Khan disse...

Quem hoje em dia tem a sua casa arrumada? Quem hoje é arrumado? Quem hoje é puramente virtuoso para apontar o que quer que seja de alguém? Virtuosos do virtual existente no umbigo que embebecidamene contemplam ao espelho... A Razão já não pede tolerância, nem aspira à raiva existente que existiu e que deixou de existir pela desistência de um sonho destruído pela putréfida realidade. Resta a Piedade, tábua mestra da fé religiosa, a única merda que ainda nos faz substistir nesta caixa de Pandora "Clássica". De facto, quanto mais Justiça, mais Injustiça. E aqueles que tão bem escrevem, tão bons "bonus pater familia" que se esforçam por demonstrar ser, são a hipocrisia institucionalizada para que sirvam de referência aos futuros merdas da nossa sociedade. E tudo isto em Direito. Deveríamos ser o exemplo. Não o somos. Somos a chacota presente, passada e vindoura da sociedade nacional-porreirista tuga. Regojizemo-nos...

Genghis_Khan disse...

"Resurrection lies in a ground full of lies...".

www.aperfeicaodoerro.blogspot.com

Na ordem disse...

"Porque alguns alunos têm mais possibilidades de dar nas vistas neste tipo de movimentos. Até já adivinho alguns dos que se vão chegar à frente. Não é difícil."

http://www.aafdl.pt/index.php?option=com_zoom&Itemid=31&page=view&catid=3&PageNo=9&key=75&hit=1

Luís Rocha disse...

Sou adivinho.

LOL

Pedro Sá disse...

Não vejo razão nenhuma para os juristas terem de ser exemplares.

Vamos ser rigorosos. Ninguém tem que ser exemplo para ninguém. Essa procura da exemplaridade traz sempre consigo considerações do foro ético que não se podem impor a ninguém.

Movimento Pela Net Mais Barata disse...

Quem conta um conto acrescenta um ponto. Assim um carrinho é tu cá tu lá com o ferrari e a net a assapar é tipo velhote com esclerose multipla.
Só se pode ir denunciando e procurando soluções como nós fazemos. Assinem o nosso manifesto para baixar os preços da net. temos de ter 5000 assinaturas.