sexta-feira, novembro 24, 2006

Ainda o Aborto...

"As Mentiras do Aborto

Anda por aí uma discussão tramada por causa do aborto. Pena é que, como de costume, em vez de se discutirem coisas sérias se fale de meias verdades...

1. O choque do julgamento de Aveiro
Parece que o País anda "chocado" com o julgamento de Aveiro, onde são arguidas 15 mulheres, 1 médico e uma assistente.
Pois bem, se a lei fosse a que o Bloco de Esquerda propõe o julgamento existiria na mesma, com pelo menos uma mulher, um médico e uma assistente.
Afinal o choque não parece ser pelo facto, apenas pelo número.

2. Na minha barriga mando eu
O slogan que algumas meninas escreveram na barriga. Pois não sei em que País elas querem viver, mas no nosso não será seguramente. Mais uma vez, a proposta do Bloco de Esquerda só proíbe o aborto até às 10 (ou 12) semanas de gravidez. Depois das 12 semanas já deixam de mandar na sua barriga.

3. Só é pessoa às 10 semanas
Não há médico que venha dizer isto publicamente. Só políticos. O último político que definiu o que era ou não pessoa, usava um bigode amaricado. Pela sua definição só era pessoa quem tinha ascendência ariana. Agora pelos vistos a definição é mais lata... Basta já existir às 10 semanas... E se o desenvolvimento tiver sido mais rápido e faltar um dia?

4. Prender mulheres
Ninguém quer ver mulheres que fazem aborto (em desespero e/ou pressionadas pela família) presas. Na Maia ninguém foi preso e ninguém protestou. Só faz sentido prender quem aborta despreocupadamente. Dizem-me que ninguém faz isso desse modo. ok, caberá a um tribunal, e não a mim, julgar isso.

5. A liberalização é para permitir as classes mais baixas de poderem fazer o mesmo que as que têm posses
Não é verdade. As classes mais baixas são muito mais tolerantes com gravidezes precoces e familias numerosas que as famílias que olham para o status. Imaginem a tia com a filha grávida aos quinze anos. São as classes médias, altas que procuram o aborto mais frequentemente. As classes mais baixas preferem ter apoio para educar o seu filho. Porquê é que não se investe dinheiro aqui?

6. Abortar significa impedir uma mãe de ter problemas psicológicos por uma gravidez não desejada.
E o oposto? A isto respondo com algo que ouvi de uma médica no fórum TSF.
"Sou médica há vários anos, e nunca ouvi uma mãe arrepender-se seriamente de ter tido o seu filho. São vários os casos de mulheres que abortaram que não conseguem viver com isso" Como é que é? Será que em vez de empurrar estas mulheres para o aborto, não se poderia pura e simplesmente dar mais apoio?

7. O valor de um referendo
É verdade que o referendo não foi vinculativo. E não foi porquê? Porque pura e simplesmente as pessoas não se incomodaram com isso. Logo não podem estar agora chocadas.
Em segundo lugar, as que se incomodaram expressaram livre e conscientemente a sua opinião. As pessoas que não escrevem nos jornais, nem vão à Televisão têm uma opinião diferente. Devem ter o direito a ela. Afinal o que é democracia? Ir a votos até sair o resultado que eu quero?

8. As hipocrisias
Quem defende o aborto, como esta senhora do lado, gosta de acusar os outros de hipocrisia. Pois bem, eu defendo as minhas convicções, apenas e só. Já esta senhora é paga para defender as convicções do seu partido. Se algum dia resolver ir contra ele, será expulsa e não mais será eleita deputada.

9. Informação
O Bloco de Esquerda acredita convictamente que está certo. Acredita também que todo aquele que não pensa como o BE é porque não está informado (Palavras de Francisco Louçã), logo não vale a pena ouvir a sua opinião.
Pois bem, nas últimas campanhas apenas vi muitas figuras do jet-set (excelente nível intelectual na verdade) a defender o aborto. Contra o aborto vi várias pessoas, normalmente anónimas, que trabalham em instituições com mães solteiras a apareceram a dar a cara. Ou Bagão Félix. Ou pessoas como o Doutor Daniel Serrão, que deve ser o exemplo máximo da pessoa não informada que o BE aponta.

10. A fantochada do PS
O PS agora também anda chocado. Mas, se a preocupação é genuína, onde andava o PS no julgamento da Maia? Ferro Rodrigues prometeu em campanha que o resultado do referendo deveria durar pelo menos uma legislatura. Nem na oposição se cumprem as promessas. "

Fonte: acanto

5 comentários:

Pedro Sá disse...

Desonesto é quem escreveu isso. Isso é campanha MUITO suja, querendo fazer uma posição que é da grande maioria da esquerda e de muito PSD apenas do horrível Bloco.

Votar não é querer manter a hipocrisia. E, pior, esconder um grave problema de saúde pública: queres que as mulheres abortem em condições sanitárias ou no vão de escada ?

DJ disse...

Sá,
as mulheres já têm as mais perfeitas condições para abortarem, se quiserem. Basta, para isso, que abortem com base nos motivos que a lei prevê. Tudo o que exceda isso, é crime e concordo!

Pinokio disse...

Isto foi um post sobre o aborto ou um ataque ao BE ?? Porque parece-me mais um ataque ao BE. Sou contra o aborto e acho que despenalizar só vai criar mais irresponsabilidade quer nos jovens quer encher hospitais e os bolsos de quem vai ganhar com isso.Hoje em dia com tanta possibilidade de se prevenir uma gravidez não faz sentido que se despenalize o aborto.Deixem as pessoas de ser irresponsáveis.E se não querem o filho é preferível da-lo para adopção. Quem faz um aborto devia ser presa por isso.Infelizmente não tem acontecido pelo que se torna um deixa andar neste caso.

deguinha disse...

A minha opinião vai ao encontro da tua Alexandre..
Não é pelo facto de os meus ideais morais me encaminharem para uma postura de vida pro-vida, mas sim por crer que hoje em dia existem todas as formas, de várias cores e sabores, para que não aconteça uma gravidez indesejada...
Falam muito nestes dias da falta de civismo, mas penso que a falta de consciência é bem mais grave.. E a inconsciência é exactamente o problema prévio e intrínseco à IVG..
Também voto não à possibilidade de se impedir uma vida só porque sim..

Pedro Sá disse...

Se tudo continuar na mesma, o aborto clandestino - gravíssimo problema de saúde pública - continuará a existir, ou custa assim tanto a perceberes ?