domingo, outubro 08, 2006

Mudança na tradição

Amanhã é dia de recepção aos alunos do primeiro ano, na FDL. O primeiro de vários dias, onde os caloiros serão submetidos a vários rituais. A Tertulia Libertas, como organizadora do evento, decidiu alterar o programa deste ano. Eu tive acesso a esta informação altamente confidencial e decidi desbocar-me para que o mundo possa saber como vai ser o dia de amanhã. O dia começará às 8:30 da manhã, onde cada caloiro que entre verá ser-lhe feito um golpe com a navalha que pertenceu ao primeiro Dux da Tertulia e que serviu para que ele cortasse a fruta e caçasse as suas presas, quando ficou 40 dias num retiro, pensando sobre qual seria a sua missão à frente da TL. O corte será leve, deverá ter 10cm de comprimento e fazer o formato de uma cruz. Tem que fazer sangue. Esse sangue será utilizado posteriormente no diploma e servirá para terminar o pacto de sangue que os alunos devem fazer com a TL, no sentido de nunca a agredirem verbal ou fisicamente e de prometerem adquirir o Berro sempre que saia.
Seguidamente, os novos alunos deverão entrar no Anfiteatro 1 onde, pelas 9h00 em ponto, dará entrada no mesmo todo o corpo docente da Faculdade de Direito de Lisboa. Os Professores Doutorados estarão a vestir os novos modelos Fátima Lopes 2006/07 que foram criados para os trajes de Catedráticos. O Presidente do Conselho Directivo, Prof. Doutor Miguel Teixeira de Sousa, fará o discurso de boas-vindas aos novos alunos e seguir-se-á a apresentação formal de todos os restantes docentes da casa, iniciando-se a apresentação por ordem de antiguidade e por ordem alfabética. O discurso do Prof. Teixeira de Sousa foi feito pelo seu assessor Luís Waldyr, e terá como pontos de ordem a necessidade de pagar propinas, o destino das propinas, a situação financeira da Faculdade, o corte orçamental do Estado e a reforma do Processo Civil e a sua importância no curso de Direito.
Seguidamente, o Prof. Marcelo Rebelo de Sousa apresentará os livros a utilizar nas respectivas cadeiras, para a temporada 2006/07 e dará a sua opinião sobre cada um deles. O Prof. Jorge Miranda falará sobre as médias de entrada e como isso prejudica o Direito ao ensino e aprendizagem, enquanto direito fundamental. O Prof. Vasco Pereira da Silva terá oportunidade de falar aos novos alunos sobre a nova lei das contra-ordenações ambientais e, para finalizar, o Prof. Eduardo Vera Cruz fará uma breve referência ao desenvolvimento histórico (a par do Prof. Menezes Cordeiro) da Faculdade, desde o século XIII até aos dias de hoje.
Depois do discurso, prevê-se que os caloiros saiam do anfiteatro pelas 12h00 e que passem ao corredor da morte. Este ano, os caloiros terão que passar pelo corredor de olhos vendados, os veteranos poderão fazer rasteiras e dar calduços aos rapazes, e atirar cerveja para as raparigas, fazendo a Miss Wet Shirt. Terão à sua disposição vinagre, tinta acrílica, fermento, chocolate líquido e leite em pó para todos aqueles que acertem ou falhem as perguntas.
No passo seguinte, os caloiros deverão provar a sopa da avó que a TL preparou na sua gruta. Sabe-se que este ano tiraram as asas de morcego e vão inserir cabelos da Prof. Ana Maria Martins e unhas do Dr. Marchante. O pãozinho deste ano, vai deixar de ser carcaça, para passar a ser broa. Passam o diploma aos caloiros com o pacto de sangue celebrado.
Por fim, já no anfiteatro 1 novamente, a Tertúlia dará início à cerimónia das velas. Para isso, tiveram o cuidado de recrutar no tomatado de 2005/06 um elemento que soubesse cuspir fogo. Depois de todos terem acendido a sua velinha em memória do Regime que Portugal tinha até ao 25 de Abril de 1974, surge do meio do público, com o xaile em volta dos ombros, qual super herói, o tertuliano que começará a usar a sua vela para cuspir fogo, enquanto outros dois tertulianos começarão a fazer malabarismos com argolas. Durante alguns minutos farão um espectáculo memorável e os caloiros deverão bater palmas ao mesmo. No final, o Dux fará um truque de magia, fazendo sair um sem número de Berros por baixo do seu xaile sem que ninguém descubra como, e os restantes dois elementos da mesa farão um número de "Palhaço rico, palhaço pobre". Isto deverá divertir os caloiros.
À saída e para terminar este dia, a Comissão de Finalistas passará com sacolas pelo Anfiteatro a pedir "ofertas" para a sua viagem, e na saída da Faculdade estará a AAFDL a requisitar os 10% da mesada de cada caloiro, para poderem organizar uma festa na Quinzena.

2 comentários:

Poeta Irreverente disse...

Isso sim, seria um praxe a SÉRIO!

Acho que o Durão Barroso também podia aparecer, para contar a história de com roubou a mobília do Conselho Directivo para o por na sede do MRPP.

Seria a cereja em cima do bolo!

Persona naturale disse...

Agora percebo o que assustou os caloiros. Por esta razão é que alguns faltaram à praxe. lol