domingo, maio 07, 2006

Remember 2001-2006 (parte II)

Uma vez que estou temporariamente regressado ao Bar Velho Online, cabe-me indicar que o motivo deste regresso temporário se deve ao facto de vir aqui ajudar a recordar alguns momentos 2001/06 vividos por mim e pelos demais colegas.
Vou começar por destacar os primeiros tempos, nomeadamente as inscrições e a praxe. No ano em que entrei na FDL (depois de 2 anos sem conseguir entrar na FDL, por ter azar nas específicas e por ter deixado Matemática do 12º do Liceu por fazer), lembro-me que o Sapo tinha um serviço que enviava sms grátis no domingo anterior à saída dos resultados das entradas nas Faculdades. Nesse domingo à noite, fui ao Restelo ver o Belenenses-Benfica, que ficou 1-1 (golos do Mantorras e do Marcão), e quase no final do jogo recebo uma sms que a dar-me os parabéns por ter entrado na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Apesar de já calcular que iria entrar, antes de receber a sms, fica sempre aquele frisson e quando recebi a mensagem, saltei radiante, até parecia que o Benfica tinha marcado golo. Aliás, tive que festejar mais a entrada na Faculdade, do que o golo do Benfica, dado que estava a ver o jogo no meio dos sócios do Belém. Adiante...
No dia seguinte desloco-me cedo à FDL, porque na altura trabalhava no Banco Santander, e da parte da tarde tinha que ir trabalhar. Eu pedi o dia para tratar da inscrição, e fui cedo inscrever-me e curti o resto do dia. Ah pois! Andei por lá a comprar os impressos e existiam umas mesinhas onde o pessoal da AAFDL supostamente nos devia ajudar. Fui recebido da seguinte forma, pelo pessoal da AAFDL que era da Lista É: "Olha, isto tens que preencher, isto também, este não interessa, este é para ti, e este também tens que preencher. Olha toma um pin que oferecemos, e se quiseres ser sócio da AAFDL compensa. Agora podes ir andando que temos aqui mais gente para receber". Isto parecia a função pública. A única coisa de positivo no meio disto tudo, foi o facto de ter sido uma miúda toda jeitosa a atender-me. Mas o resto... não compesava! Lá fui para a Secretaria inscrever-me, e onde lá me explicaram o que era o Método A, o Método B, e ainda o Método C (sim, na altura a FDL tinha os 3... entretanto tiraram-lhe os 3, salvo seja). Fui registado com o número 13059, que ainda hoje persiste. Preferia o 13069, e pensei sobre quem seria o sortudo com o número 6969. Não se pode ter tudo... Na altura não conheci rigorosamente ninguém. Não tive oportunidade para o fazer.
Só na praxe, quando as aulas ainda começavam a 16 de Outubro, é que conheci gente. Fui ter com a minha madrasta... ops, madrinha e ela lá me juntou ao outro afilhado dela: o Diogo Saramago. Andámos por lá os dois juntos, logo desde o 1º dia de FDL, e a nossa madrasta em vez de nos proteger da praxe, ainda fez questão de ser ela e as amigas a praxarem-nos a triplicar. Fomos massacrados, cheios de carradas de tinta, verniz, e outros afins, que no meu caso só saíram ao fim de 2 horas de banho. No decorrer da praxe, quando precisavam de maçaricos para qualquer coisa, lá ia a nossa madrinha "os meus afilhados pode ir". Isto é que são amigos! Mas até gostei bastante da praxe. Se estava ali era para viver o momento. Logo nesse dia, apanhámos também algumas pessoas que ainda hoje fazem parte do nosso grupo de amigos, ou outras que apesar de não o serem, ainda hoje nos falamos muito bem, etc: lembro-me do Miguel, do Camarinha, do Daniel, do Eduardo, do Ricardo e de um tipo que ficou na memória de todos, mesmo tendo desistido do curso no 1º ano: o Rui Feliz! Andavamos todos juntos. Vi lá uma situação de um tipo que não me lembro se era veterano/tertuliano, ou se era só veterano (não me lembro se tinha o xaile nos ombros, ou se tinha a capa, mas uma destas tinha) a esticar-se com um caloiro, que não gostei e já me estava a preparar para lhe fazer alguma, se decidisse falar comigo como falou com aquele. Não gostei mesmo, porque foi um pequeno abuso! Lá tomei um golo daquela sopa manhosa que é servida e que na altura contavam já 1000 coisas sobre ela (desde que os tertulianos cuspiam e inseriam outras coisas menos higiénicas na mistela, até dizerem que se comesse o pão me ia dar uma bruta cag*****). Não tive nenhum sintoma secundário. A tertuliana que me serviu a mistela, apesar de não primar pela beleza, primava pela simpatia. Deu-me as boas-vindas à FDL e a partir daí, sempre que me via, cumprimentava-me. Fiquei com muito boa impressão dela. Afinal, só a tinha visto uma vez, e já me falava na maior, etc. Soube que não era muito "querida" por um sem número de caloiros. Não entendi porquê. Penso que acabou o curso nesse ano, ou no outro ano a seguir. Há 1 ano e tal atrás, vi ser-lhe feita uma homenagem a ela e a outros ex-tertulianos. Nunca mais soube nada dela. Valeu a simpatia demonstrada no pouco tempo que andou por lá ao mesmo tempo que eu. Cortaram-me pouco cabelo (vá lá!) e lá me deram o diploma. Na altura o Dux era um tipo de óculos, Bruno qualquer coisa, cujo apelido não me lembro. No interior do anfiteatro continuou a nossa saga de sofrimento, graças à nossa madrinha!
Fui inserido na Turma B, mas um conhecimento na Secretaria tratou de me por na Turma A, na subturma 1. Se não fosse isso, se calhar mais de 90% das coisas que lá vivi, não teriam acontecido. E tudo teria sido diferente...
Foi assim o 1º dia...

2 comentários:

Poeta Irreverente disse...

Fdx, a madrasta era bem feia! E chata como a putaça! Mas foi um dia do caraças, não percebo a malta que não gosta das praxes... devem ter falta de sentido de humor, só pode! Só houve um senão, só almocei ás 17h. De resto, foi emocionante o 1º dia de FDL!

Filipe de Arede Nunes disse...

Também me recordo bem do meu primeiro dia na faculdade! Abraço.