domingo, março 19, 2006

Exposição da FDL, presentada pela Tertúlia Libertas

É de conhecimento público a minha aversão ao PS. É ainda de conhecimento público a minha opinião sobre a Tertúlia. É ainda de conhecimento público, que não tenho qualquer ódio ou aversão à mesma. Tudo o que tive, até hoje, foi um profundo lamento, por a mesma já não ser o que era. Relativamente à actual exposição a que assistimos na FDL, dá-me cada vez mais razão no sentido da Tertulia ter mais jeito para artes manuais, do que para actos com sentido útil. Uma exposição de fotos, cartazes, ou até de sanitas, não muda nada, apenas sensibiliza as pessoas para as questões que existem. O problema é que as pessoas têm a mesma reacção para com os bonecos que a Tertulia fez há um bom tempo: "olha a ideia está gira, está conseguida". Mas... fizeram eles alguma coisa? Iniciaram eles alguma manifestação ou revolução? Não! Todos nós, no dia a dia assistimos a movimentos de sensibilização para várias áreas, por exemplo campanhas contra a fome, ou para a violência doméstica. E por uns instantes pensamos "realmente, a ideia está conseguida. Pôs-nos a pensar". É pena, é que não ponha ninguém a agir! Logo, a ideia da Tertulia até põe muitos a pensar, mas não põe ninguém a fazer nada. Nem os próprios, que até têm um dos seus a representar os alunos no Conselho Pedagógico e ainda numa Comissão criada de forma bastante duvidosa e com um elemento cuja competência e qualidade é um mistério (ainda não explicaram os critérios de escolha a ninguém), que se dedica ao Processo de Bolonha. Se nem o Tertuliano que faz parte de todos estes órgãos faz alguma coisa, e se ele o pode fazer, muito menos os seus "camaradas" tertulianos. Curioso é, que não os vejo a fazer nada e só lançam responsabilidades para os outros. É fácil passar a batata quente a terceiros e ficarmos nós deste lado a apontar o dedo. Devo lembrar é que para que se tenha moral para o fazer, é necessário que primeiro tenhamos feito nós, para depois termos motivos para criticar os outros. Depois dos bonecos e desta exposição, o que se segue? Mais um berro dedicado exclusivamente ao Processo de Bolonha, a falar mal a torto e a direito da AAFDL, do Conselho Pedagógico, do Directivo e de mais umas quantas pessoas, e mais uma vez tentem sair por cima com a típica frase do "nós estamos a fazer o nosso papel: denunciar. Já fizemos tudo o que podíamos, mas estamos sozinhos". São uns patinhos feios. Ninguém os compreende! O que é certo é que fazer uma exposição destas, com consequências práticas e úteis = 0, não os tornam melhores do que ninguém. E se o trabalho da Tertulia é realmente os trabalhos manuais, creio que deveriam estar noutro tipo de curso, talvez uma Faculdade de Belas Artes, ou outro qualquer semelhante. Lá estariam como peixe na água.
Nota-se que eles têm jeito para artes manuais, mas não têm jeito para manifestações, ou actos com proveito útil. Cada pessoa falará por si, mas eu sinceramente, lidei perante esta exposição da mesma forma como olho para as outras a que assisto no dia a dia: desprezo e sem fé, no sentido de se chegar a algum lado com tudo isto. Logo, tenho a dizer que uma sanita com um caminho de ferro a anunciar o fim da linha, tem muito de engraçado, e uns bocados de contraplacados com uns dizeres alguns humorísticos, também. Até a receita está engraçada. Um dia destes vou experimentá-la aqui em casa, a ver se sai qualquer coisa relacionada com Bolonha, mais não seja uma massa bolonhesa "a la tertulia".
Quanto à questão "onde está o representante dos alunos", de entre os quais se incluiem os Conselheiros Pedagógicos, e nos quais me incluo eu, só tenho a dizer o seguinte: quando tomar posse, prometo pegar fogo naquelas reuniões. Enquanto não tomar posse, porque ninguém se mexe nesse sentido (existem pessoas competentes para o efeito), não posso dizer que represento quem quer que seja, a não ser eu mesmo. E tenho imensa vontade de ir lá e liderar o Conselho Pedagógico que jamais deixará morrer a questão de Bolonha, face aos alunos.
Para terminar, vou indicar-vos porque referi o PS no início deste post. O meu colega e amigo João Gomes, inspirando-se em parte de um post que dirigi aqui à AAFDL, decidiu fazer um post no blog do NES, alusivo a esta questão da exposição tertuliana. Sem sombra de dúvida, que ainda sendo ele do PS, ou não, quando as pessoas têm razão, temos que lhas dar, e confesso que me deliciei com o texto, porque realmente serviu de complemento àquele que escrevi aqui recentemente.
Ora tomem atenção à pérola:
"Parece que a TL está a fazer das suas e brindou a nossa academia com uma retrete no átrio da faculdade. A juntar à "exposição" temos vários cartazes que terminam a questionar onde está o representante dos alunos. Frase que motiva alguns gracejos quando vemos a comissão permanente encarregue de Bolonha, que até tem um membro da TL e que os próprios conselheiros pedagógicos da FDL ainda não perceberam qual foi o critério da sua escolha.
Mas a lógica parece imperar: primeiro alguns (pseudo) intelectuais, depois (talvez) a AAFL, um dia o NES (?!)..."

fonte: Blog do NES

Subscrevo, e para quem não se recorde da crítica que já apontei aqui neste blog à actuação da AAFDL, aqui vai o link para o referido texto-> Perguntas do Nosso tempo Sobre a AAFDL

3 comentários:

Space Cowboy disse...

Confesso que pessoalmente não tenho qq aversão à Tertulia. Aliás, ainda sou do tempo em que esta era plena de ideias, motivação e pessoas brilhantes. Nestes últimos 4 anos a TL funcionou, na minha perspectiva, mais como um grupo de amigos que usava umas capas negras, orgulhosos do passado mas inoperantes e inócuos quanto ao presente e ao futuro da Faculdade, do curso e, especialmente, quanto à missão a desempenhar pela própria TL.
Penso que nestes últimos meses a TL, encabeçada por uma nova Dux, tem tentado reavivar o seu papel nas lutas da FDL. Esta exposição serve, acima de tudo, para alertar para os problemas que Bolonha inevitavelmente trará e, espero, pôr os habitantes da nossa casa a falar e a pensar sobre as hipoteses que vão sendo avançadas.
É este o mérito desta exposição. É pouco segundo o nosso colega DJ.Eu entendo que, caso fiquem por aqui, será inconsequente mas, parece-me a mim, um passo inteligente a dar nesta altura. Por isso os meus parabéns.

A 2º questão: Onde está o representante dos alunos?
Pode parecer pouco aos olhos da TL uma comissão coordenadora da AAFDL para estudar esta questão. Porventura, pode à TL parecer uma manobra oca, uma operação de cosmética para fazer passar a mensagem de que a AAFDL está realmente interessada neste problema.
Parece-me que a Comissao, além de pôr alunos de vários quadrantes (incluindo um tertuliano) a discutir e pensar o problema, terá o mérito de apresentar possíveis soluções, propostas, cenários que podem ser seguidos e outros que serão impossíveis de concretizar. Assim sendo, os estudos desta Comissão serão uma mais-valia real para todos os alunos que se debrucem sobre esta questão, apresentando dados, opiniões, caminhos e soluções. Estas poderão ser questionadas mas terão o mérito de, pegando nas palavras do nosso colega DJ, além de por pessoas a falar, apresentará uma sensibilidade sobre este problema. Um caminho que entendem ser o mais profícuo para a nossa academia.

Paul Print disse...

Cá para mim há mesmo com "dores de cotovelo"... Todos à procura de um buraquinho (LOL) para se dar a conhecer, para mostrar o peito e dizer que vão ser martirizados pela FDL... Parvos

Paul Print disse...

São tantas as pessoas que a palavra até fugiu... COmo foge da compreensão as vossas palavras!
"Cá para mim há mesmo muitas pessoas com "dores de cotovelo"... Todos à procura de um buraquinho (LOL) para se dar a conhecer, para mostrar o peito e dizer que vão ser martirizados pela FDL... Parvos"