sexta-feira, março 31, 2006

As 4 finais...

Pois é, caros amigos! Eu e alguns colegas estamos a 4 finais de terminar o curso. No meu caso Trabalho, DIP, Penal II e Ambiente. A vida na FDL começa a tornar-se cansativa... e falta qualquer coisa. Quem sabe um dia mais tarde lá volte. Estou confiante que todos vamos superar as finais respectivas (alguns têm 5, ou 6 finais... conforme os casos), e que um dia todos nos vamos cruzar, seja de que forma for. Mais não seja... cruzarmos-nos na rua! Torçam por nós! Só depende de nós neste momento.
Felicidades a todos... e... só faltam 5 dias para o Brasil!

quinta-feira, março 30, 2006

El Chino es muy puerco



A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) encerrou esta quinta-feira 14 restaurantes chineses em todo o país, na sequência de uma mega-operação de fiscalização.

"No âmbito da Operação Oriente foram ainda apreendidas duas toneladas e meia de produtos.
A operação pretendia fiscalizar a legalidade dos estabelecimentos, verificando se estavam devidamente licenciados e se eram cumpridas todas as regras de segurança, asseio e qualidade dos géneros alimentícios eram cumpridas.
Em comunicado, a ASAE adianta que foram inspeccionados 130 restaurantes chineses de Norte a Sul. A maioria dos estabelecimentos encerrados – 10 – localizam-se em Lisboa. Três ficam no centro do país e um no Alentejo.
Ainda segundo a ASAE, a taxa de incumprimento no total dos 130 restaurantes fiscalizados atingiu os 89 %. Um número que contrasta com uma percentagem entre os 28 e 38 % verificada em outras acções de fiscalização já efectuadas em estabelecimentos de restauração."


Ah pois é, andamos todos a comer merda ao longo dos anos e saímos desses restaurantes com um ar de satisfação! Ainda ontem fui a um...

As relações entre as pessoas na FDL...

Nem sempre é possível criar uma empatia entre todos num determinado meio. Não se pode agradar a gregos e troianos, e já dizia a passagem "Não podemos servir a dois senhores ao mesmo tempo". Logo, com a nossa forma de ser, acabamos por desagradar a alguém e, por consequência, por vezes as pessoas também acabam por nos desagradar.
Por vezes caímos no goto de certas pessoas, e as pessoas no nosso. Isto pode ser derivado de um conjunto de coisas: ora de um dia mau, quer de um lado, quer do outro; ora de um mal entendido qualquer, sem nexo, mas que uma das partes entende mal, e depois acaba por fazer algo que desagrada à outra pessoa; enfim. Pode ser também por vontade própria. Mas isso seria acreditar na má fé das pessoas. E não acredito que existam assim tantas pessoas que, gratuitamente, construam ódios sobre outros. Acredito que podem acontecer mal entendidos. Depende, posteriormente, da forma como as pessoas lidem com isso. Se não se conversar, as coisas podem piorar e deteriorar-se. Às vezes a outra parte que não se expressou bem, depois não se sabe expressar nos melhores termos e acaba por dar tudo numa enorme confusão.
Creio que só assim se podem explicar relações que resultam num misto de brutalidade, falta de educação, frieza, e outro tipo de coisas menos boas. E só assim também se pode explicar, por exemplo, a relação nada saudável que tenho com a Florbela, ou por exemplo a do Delfim com a Sónia Viana. Creio que tanto uma, como a outra, surgiram por mal entendidos. Qual a parte culposa, não interessa agora ao caso averiguar. Não porque não dê jeito, porque se calhar até daria passar a batata quente ao outro lado, mas porque não é descobrindo culpados, que se resolvem as coisas. É, sim, tentando dialogar, e tentando esquecer as coisas que se passaram, que tudo se ultrapassa. Posso ter errado 20 vezes, e ela 19, ou 1. Se calhar aquela 1 que ela errou foi fatal para que eu dali fizesse as minhas, ou se calhar errei primeiro, não dei conta, e depois errou ela. A mesma coisa relativamente à outra situação. À do Delfim. Por causa de algo que a Sónia Viana não ouviu, pegou logo nele, mas aos poucos têm sabido dar a volta por cima.
O problema é quando os feitios se chocam. Não facilita. Sei que o meu é um pouco chatinho, mas se há coisa que não sou é mal educado, ou arrogante. Ainda que possa parecer (ser arrogante, claro). Torno-me mal educado e violento, quando me fazem algo que me faça sentir ofendido. Não estou com isto a tentar justificar-me. Mas, já pensaram que se calhar, por causa de algo que nem dei conta, acabei por ofender alguém, e essa pessoa em vez de conversar, retaliou? E a partir daí se gera o ciclo vicioso!
É chato e triste tudo isto, sobretudo quando sabemos que, quer do nosso lado, quer do outro, ninguém embica com ninguém por apetecer. E ficamos a pensar "porquê", e ficamos sem resposta. Era bom que este tipo de coisas passasse. Seria, sem dúvida, bastante positivo. Não só a nível profissional como pessoal, acho que toda a gente se sentirá um pouco melhor. Detesto estar mal com as pessoas e sentir que alguém está mal comigo. Neste tipo de coisas, não há vítimas. Há alguém culpado, que sem dar conta pratica algo, e posteriormente surge o "ofendido" que passa a retaliar. Custa-me ir às aulas de DIP, porque nunca sei quando vou levar com alguém a fazer-me uma cara altamente séria e que por vezes responde de uma forma, como que se tivesse vontade de dizer "lá vem este gajo", e saber que esse tipo de coisas tiveram a sua origem num mal entendido. A matéria também não facilita. E se calhar acabei por formar um conceito sobre a pessoa um pouco errado. Como por vezes a mesma responde de forma brusca e pouco simpática, também não ajuda muito. São os tais feitios! Mas isto poderia ser melhor. Bastava ver, um dia que fosse, em vez de uma cara com vontade de me fazer a folha, um rosto minimamente simpático, e se não for pedir muito... um esboço de um sorriso! A simpatia ainda funciona, e é o melhor remédio para curar todos os males.
Volto a dizer... é triste! É chato... mas quanto a pazes e quanto a tudo o resto, já dizia a minha avózinha "quando um não quer, dois não fazem". Sobre este tipo de situação, só posso contar a minha versão, porque nem tenho coragem de falar com a parte contrária. Tentei uma vez e deu mau resultado. Não tento uma 2ª. Mas... bastava uma alteração de atitude. Estou a acabar o curso. Espero bem em Junho por-me a andar da FDL, e esta não é a maneira mais saudável, nem positiva, de acabar o curso. Fico na esperança de, até ao fim do ano, ficar com uma ideia mais positiva da Florbela enquanto pessoa. Como professora, há matérias que explica bem e passa a mensagem, e há outras que não a passa lá muito bem. São falhas. E que associadas à experiência "pessoal" agravam um pouco mais tudo isto. O reparo que lhe fiz, apelidando-a de ser "fraquinha, muito fraquinha", foi mais num momento de desespero por não perceber patavina do que ela dizia para lá, e por ter tido, mais um mau dia com ela. Tem coisas boas como assistente, mas também tem coisas muito más. Como pessoa, actualmente, a informação não é a melhor, mas... para terminar... quiçá ainda saio da FDL com um sorriso dali. Não custava nada... e podia melhorar tudo!

Faltam 6 dias...



Brasilllllllllll

A Rainha do Direito do Ambiente

É a Rainha do Direito do Ambiente, porque:
1º domina Ambiente como o Ronaldinho domina a bola;
2º veste a camisola;
3º porque tem anos de experiência de Ambiente;
4º porque ir às aulas dela é um privilégio, um luxo, e mais um bocadinho devia dar curriculum para nós, alunos;
5º porque ouvi-la falar de Ambiente e até de outras coisas, é um prazer;
6º porque espalha uma simpatia e é de uma acessibilidade enormes.
De pessoas assim, só se pode falar bem! E ai de quem se atreva a contrariar isto que aqui falei.

quarta-feira, março 29, 2006

Está quase.... 7 dias para o BRASIL!

A minha Teoria dos Anões - 2ª versão



Bem meus amigos, como nada é melhor que o original, resolvi não tentar refazer o meu post sobre a Teoria dos Anões. Sairia decerto pior e julgo que muita gente já leu o original.
Assim sendo, resta-me só dizer que toda esta história dos anões surge numa viagem a Braga em que na ida, o colega Álvaro Regueira era o condutor. Sendo relativamente baixo, encostou bastante o banco para a frente. À vinda para Lisboa, coube-me a mim conduzir a viatura, e tendo eu mais uns 20 cm de altura que o Álvaro, assim que me sentei e me senti apertado, eis que me sai esta frase:"Fdx, teve aqui sentado um anão ou quê?!". Desde então, generalizou-se essa piada...
Quanto ao Anão que estava presente no post original, todos sabem quem é... E olhem que ele é mesmo assim!

Faltam

não sei quantos dias (penso que 7) para o Brasil.
Espero, sinceramente, que se divirtam muitissimo.
Com muita pena minha não vou poder acompanhar-vos nessa sagrada demanda mas sugiro aqueles que estão a trabalhar a sério que aproveitem para descansansar, para aqueles que vivem despeitados e frustrados que arranjem uma menina que lhes cure a dita maleita e para os demais sugiro bebedeiras e felicidades!

terça-feira, março 28, 2006

Recordando as aulas do 1º Ano de Ciência Política e Direito Constitucional I

" Os fins justificam os meios."

Nicolau Maquiavel em "o Príncipe"

domingo, março 26, 2006

Brasil: 9 dias!

Os Emigrantes no Canadá

No Canadá, na Suiça, na França, ou na China. Onde quer que esteja um português ilegal, sou a favor da sua deportação para Portugal. Tal como sou favorável à "devolução ao remetente" de todos os portugueses legalizados que pratiquem crimes num país estrangeiro, ou que não saibam ter o comportamento devido em sociedade, ainda que eles sejam nascidos no território X, e filhos ou netos de portugueses. Sou inteiramente favorável à deportação. Tal como já o era no caso dos imigrantes ilegais em Portugal (africanos, brasileiros ou asiáticos), e me apelidavam injustamente de racista, também adopto como correctíssima a mesma solução para os portugueses no estrangeiro que se encontrem na mesma situação. Meus amigos... o sol quando nasce é para todos! E temos que respeitar os outros. A diferença entre estar legalizado e não é enorme. É igual à situação de eu ter uma enorme fazenda... com terreno enorme, e alguém me pedir para morar numa ínfima parte do meu terreno e eu lhe conceder essa possibilidade e eu nesse mesmo terreno ter alguém que se infiltra e sem pedir autorização a ninguém decide morar no MEU terreno. Invasão de propriedade privada. Até pode acontecer que por mais que a pessoa peça para lá morar, eu rejeite. É propriedade privada e eu não sou culpado da situação de outra pessoa.
É triste dizer isto dos meus conterrâneos, mas é o que acho: estão ilegais, voltem. Estão a ser expulsos e bem expulsos. Aqui em Portugal, sou a favor da mesma solução face a imigrantes ilegais. Se era chamado de racista e xenófobo no caso dos imigrantes (argumento único que utilizam gratuitamente para tudo o que não seja pro-ilegalidade e pro-indignidade, sim, porque colaborar com imigrantes ilegais, com barracas e subsídios e afins, é colaborar com a ilegalidade e acima de tudo colaborar para a falta de dignidade social do ser humano.) agora, face à mesma solução para os portugueses, serei chamado de quê?
Se um país não nos aceitar lá, temos que acatar a decisão! Ninguém é obrigado a gramar connosco. E além do mais, em casos como o de Portugal, não temos condições de receber tanto imigrante, sob pena de cada vez mais deixar de existir condições dignas e humanas para que os mesmos cá possam permanecer, e correndo ainda o risco de chegarmos à situação degradante, que ocorre cada vez mais, com os países do 3º mundo. É tudo uma questão urbanística, económica, cultural, social. Temos que impor limites e números para as pessoas que recebemos. Assim fazem os países inteligentes e desenvolvidos, como o Canadá. E, para quem considerar isto um acto xenófobo por parte do Canadá, lembre-se que a Presidente Canadiana é imigrante, sendo Haitiana.

Séries da nossa infância e adolescência...

sábado, março 25, 2006

Venusmonti - Tuna Académica da FDL

A minha (versão da) história

Mesmo antes de entrar na FDL ou na vida académica, já assistia com entusiasmo às actuações das tunas académicas e era um sonho pessoal um dia, quando viesse a entrar no ensino superior, ser membro de uma tuna. Assim que entrei na FDL, por volta de Fevereiro, enchi-me de coragem e fui à sala da tuna da FDL- a Venusmonti- e lá iniciei a minha aventura na vida das tunas, que se prolongou até ao ínicio do 4º ano.

Creio que só quem passou pela tuna, sabe o que significa o espírito académico, já que é muito difícil em Lisboa ter uma convivência académica como se tem em Coimbra, em que o companheirismo, a amizade, a loucura, as noites longas de paródia total são um marco na vida de um estudante.

Serão inesquecíveis os momentos fantásticos que passei nas actuações de Coimbra, em 2002, na Queiam das Fitas. No Festival da Católica, em 2003, onde dominámos o festival todo com a nossa loucura, e onde houve a maior caça ao "recuerdo" de sempre. O Festival Saloio de Tunas, em 2004, onde mais uma vez fomos os reis do Festival, com a célebre actuação com a Tuna da 3ª Idade de Loures e com o episódio "Fernanda do Diamante", além do Presidente da Câmara de Loures ter sido obrigado a ouvir-nos 30 minutos por termos perdido o festival. Lembro-me ainda da actuação em Cuba do Alentejo, onde conhece-mos o Sr. Chico Baião (Mocidade, Mocidadeeeee...), entre muitos outros grandes momentos que eu nunca irei esquecer.

Mas como é obvio, também no seio da Venusmonti houve lutas de poder, que no final acabaram com a própria tuna. Desde que entrei, até 2003, quem mandava na tuna eram os mais veteranos, que estavam em minoria de elementos. Em 2004, com a passagem ao poder dos elementos mais novos, devido a uma luta interna que surgiu antes do Festival Saloio de Tunas.

Para mal da FDL e dos elementos que adoravam a tuna, em Novembro de 2004, o Cosnelho de Veteranos da Venusmonti resolveu expulsar 80% dos membros, todos eles elementos não ligados à facção que tinha perdido as rédeas do poder em Fevereiro de 2004. E assim acabou a Tuna, nunca mais houve actuações, não existem novos elementos. o Fim.

Deixo aqui um enorme abraço de amizade aos meus amigos e companheiros de viagem de 3 anos de Venusmonti: Rikita, Sampaio, Garcia, Cyprien, Violento, Tropa, Sandes, Eurico, Michel, Falha, Sanita, Repórter, Cubano, Abdul. Se me esqueci de algum , peço desculpa.

Nunca me irei esquecer:

VENUSMONTI, CONA CHATUNS, CARALHUS GROSSUS ET PINTELHUDUS!!!

P.S. Quem quiser saber mais sobre a tuna visite aqui.

Venusmonti - O Hino

Sei que enquanto viver
Nunca esta sede há de morrer
Sede de tempo para ser
E a cada instante poder ter
A capa negra ao luar
Rasgada de tanto amar
A ilusão no olhar
De para sempre cantar

Esta paixão que nos faz trovar
Em cada instante do meu palpitar
Esquecendo o tempo que nos faz sofrer
De capa traçada canto até morrer.

A academia é vivida a cantar
E o nosso curso sem nunca acabar
Mas pela tuna vivemos assim
A Venusmonti canta até ao fim

Saudade...

O DIP e o Brasil!

A todos os que tiverem problemas de consciência com as namoradas, eu estou aqui para resolver o vosso problema!
Ora bem, o aluno A, tem a namorada B, e vai para o Brasil sem ela. Lá, conhece C, que logo o convida para uma noite escaldante! A fica com problemas de consciência se for para a cama com C, dado que namora com B.
Dados relevantes para a hipótese:
1. O Brasil não reconhece namoros de estrangeiros e só considera traição, quando o mesmo sujeito tem mais que 3 mulheres.
2. Portugal considera traição, a típica situação descrita supra.
3. No Brasil faz-se a dupla devolução e a devolução simples, dependendo do caso.
4. Para este tipo de situações, a lei brasileira considera-se competente.
5. O gajo que está a fazer este caso prático não percebe nada de DIP e precisa de explicações urgentemente, mas está a escrever isto só para não deixar as pessoas com problemas de consciência.

Pergunta: qual o Direito aplicável numa situação destas?
Resposta: A Norma de Conflitos em questão, será o artigo 46º do Código Civil, dado que o que está aqui em causa é uma questão de posse, propriedade e demais direitos reais (que inclui direitos reais de gozo), sobre a coisa. Como não se regula a situação relativamente a mulheres, a estamos perante uma lacuna do nosso regime jurídico, e sendo assim, a norma que mais se assemelha ao regime de direitos de gozo sobre as mulheres, é a do 46º/1, logo esta situação é resolvida pela lei do Estado em cujo território as coisas se encontrem situadas. O chamado lex re sitae. Logo, se a brasileira se encontra situada no Brasil, será esta a lei competente para determinar se no caso de A praticar relações sexuais com C, estaremos perante uma traição ou não. A lei brasileira considera-se competente. O Brasil diz que neste caso, nem sequer considera as relações de namoro de estrangeiras como existentes, quanto mais nesta situação, em que ele não excedia o número de 3 mulheres.
Conclusão: podem ficar descansados e ir para o Brasil fazer sexo à vontade, porque os vossos namoros não são reconhecidos nesse Estado.

Countdown to Brasil: 10 dias!

sexta-feira, março 24, 2006

Parabenização e Lamento

Como muitos souberam, a Tertúlia organizou hoje um género de conversa aberta com 2 penalistas de craveira internacional. Não, não era o Roxin! Mas têm nome, e a iniciativa pareceu-me muito boa. Há que dar os parabéns à Tertulia por organizar um evento diferente do que estamos habituados e com um nível de interesse bastante alto. O lamento decorre de, por factos alheios aos mesmos e a qualquer pessoa ou órgão da FDL, os 2 convidados terem sido "forçados" por 3ºs, ligados ao Estado e a outros quantos invejosos, a não comparecerem no evento. Tendo havido este impedimento, remediaram como puderam os convidados. Tive pena de não ter tido tempo para assistir, porque realmente a iniciativa pareceu-me bastante interessante.
Não sou grande admirador da Tertúlia, mas também não lhes tenho qualquer tipo de "ódio". Por isso, há que dar o mérito devido a quem o merece, e neste caso, merecem-no.

Frase da Semana...

Pessoal: "Epá... a Dr.ª Florbela faz hoje anos, podiamos cantar-lhe os parabéns"
Domy: "Olha, eu podia dar o bolo!"


P.S.: O Domy não nos disse quantas velas queria que metessemos no bolo dele; e resta saber, se a esta hora, o bolo já foi todo comido.

quinta-feira, março 23, 2006

Uma das Rainhas

Queria dedicar aqui um espaço a algumas das "Rainhas" da Faculdade. A 1ª delas é a Dr.ª Fabrícia Almeida. Quanto à forma de ensinar não me posso pronunciar, porque nunca tive qualquer contacto com ela a nível académico, mas em charme e presença, realmente estamos aqui perante uma Rainha!
Gostaria de dedicar aqui o espaço a pelo menos mais duas: à Rainha do Direito Comunitário e à do Direito do Ambiente. Quem tiver fotos das respectivas, ou algo que as possa representar, agradeço o envio das fotos.

segunda-feira, março 20, 2006

O melhor Rock in Rio de sempre (será?)



Pois é meus amigos, eu até ia desmaiando de felicidade que soube da notícia: os grandes plagiadores portugueses, de nome D´ZRT, vão estar no Rock in rio! Agora é que eu vou de certeza (ou não...) :P

O Quadrado - II

Sem falta, 6ª feira, dia 24 de Março de 2006, sairá o meu texto "O Quadrado II - Jihad FDLiana". Após mais de 3 meses de espera, e de várias promessas de reuniões, e outros afins, toda a paciência tem limites. Tudo bem que quem espera sempre alcança, mas 3 meses é um abuso. Prometeram-me ao longo de 3 meses reuniões e mais reuniões, e deixaram que se falasse tudo e mais alguma coisa de mim, tendo sido eu uma das pessoas que muito fez pela FDL, pela AAFDL e pela Lista R. É por isso, que como tudo na vida tem limites, a minha paciência esgotou-se. Não terá o efeito útil desejado, porque pretenderia dizer tudo aquilo que surgirá no texto, na cara das pessoas, olhando-as nos olhos. Assim jamais me acusariam de falta de transparência. Sempre fui directo, frontal e disse o que tinha a dizer na cara de toda a gente. Nunca precisei de reuniões quase mistério, ou "complots" para fazer passar uma má imagem de terceiros. Logo, com isto ficará a minha consciência tranquila. Procurei por dezenas de vezes as convocatórias para as reuniões devidas, e fiz tudo ao meu alcance para que as pessoas tivessem tomates para ouvir e encaixar. Nunca tiveram, nem demonstraram interesse nisso. Por isso, depois de colocar o texto, não darei sequer o mínimo de espaço para que me respondam. As vantagens dos "directos" (como na TV), são ver o que as pessoas dizem em tempo real, quando se deparam com acontecimentos e factos reais, que as pessoas trazem a público. Parece que um sem número de pessoas não se demonstrou com interesse, nem coragem, para assumir e encaixar as verdades.
Sendo assim, como me fartei de promessas inconsequentes e de desculpas esfarrapadas (como não haver um dossier com as fichas das pessoas... solução mais que ultrapassável, porque somos vários os que têm os contactos todos e poderia renovar-se as fichas de Lista), 6ª feira lanço o texto, dê por onde der. O site no qual o colocarei será publicitado no dia, dado que não utilizarei o Bar Velho Online para expor.
Para concluir, dado que me fartei de esperar e cansei de ser enrolado, 6ª feira ele estará cá fora. E, acreditem, isto não é uma promessa: é uma certeza!

Crónica de uma morte anunciada

Quero desde já dar os meus Parabéns à Tertúlia Libertas pela magnífica exposição que desde 4ª feira está presente no atrio da Faculdade de Direito de Lisboa. Numa altura em que as simpatias pela TL andavam na rua da amargura, esta pode ser um grito do Ipiranga, poderá ser o "renascimento" de uma Tertúlia declarada morta antes do tempo.
A exposição tem como principal atractivo pôr os alunos e todo o corpo docente a falar de Bolonha. É certo que a AAFDL (e mesmo a FNED) tem vindo ao longo do tempo a promover conferências e debates sobre Bolonha, com o objectivo de divulgar e elucidar a Academia, no entanto sem os resultados pretendidos.
Esta exposição, embora não seja no modus operandi que a AAFDL utiliza, parece estar a surtir efeitos. Será de ponderar uma modificação de actuação por parte da AAFDL? Não creio que seja necessário... Para mim, acho que cada instituição da minha Faculdade tem a sua área e o seu método de actuação, e eu como dirigente associativo defendo a ideia de "Agir em vez de Reagir" (André Pardal in ENDA ISCTE). Por isso foi criada uma comissão para Bolonha composta pelos alunos mais capacitados da faculdade, com base em critérios que a AAFDL reserva só para si. A comissão não é composta por alunos do Pedagógico e/ou do Directivo, é também composta por alunos que foram eleitos para esses órgãos, não sendo o cargo que ocupam um factor de ponderação. Se considerasse que havia pessoas mais capacitadas e disponíveis fora dos órgãos, essas pessoas estaríam com certeza presentes na comissão (esta opinião não vincula a AAFDL, vincula-me a mim próprio enquanto membro da mesma).
Tenho uma opinião critica sobre a Faculdade, sobre a Tertúlia e sobre a AAFDL, no entanto quando existe algo de bom, gosto de ser o primeiro a dar os parabéns, e não gosto de manter os canhões apontados mesmo quando não tenho razão, só porque tenho uma posição crítica.

domingo, março 19, 2006

Exposição da FDL, presentada pela Tertúlia Libertas

É de conhecimento público a minha aversão ao PS. É ainda de conhecimento público a minha opinião sobre a Tertúlia. É ainda de conhecimento público, que não tenho qualquer ódio ou aversão à mesma. Tudo o que tive, até hoje, foi um profundo lamento, por a mesma já não ser o que era. Relativamente à actual exposição a que assistimos na FDL, dá-me cada vez mais razão no sentido da Tertulia ter mais jeito para artes manuais, do que para actos com sentido útil. Uma exposição de fotos, cartazes, ou até de sanitas, não muda nada, apenas sensibiliza as pessoas para as questões que existem. O problema é que as pessoas têm a mesma reacção para com os bonecos que a Tertulia fez há um bom tempo: "olha a ideia está gira, está conseguida". Mas... fizeram eles alguma coisa? Iniciaram eles alguma manifestação ou revolução? Não! Todos nós, no dia a dia assistimos a movimentos de sensibilização para várias áreas, por exemplo campanhas contra a fome, ou para a violência doméstica. E por uns instantes pensamos "realmente, a ideia está conseguida. Pôs-nos a pensar". É pena, é que não ponha ninguém a agir! Logo, a ideia da Tertulia até põe muitos a pensar, mas não põe ninguém a fazer nada. Nem os próprios, que até têm um dos seus a representar os alunos no Conselho Pedagógico e ainda numa Comissão criada de forma bastante duvidosa e com um elemento cuja competência e qualidade é um mistério (ainda não explicaram os critérios de escolha a ninguém), que se dedica ao Processo de Bolonha. Se nem o Tertuliano que faz parte de todos estes órgãos faz alguma coisa, e se ele o pode fazer, muito menos os seus "camaradas" tertulianos. Curioso é, que não os vejo a fazer nada e só lançam responsabilidades para os outros. É fácil passar a batata quente a terceiros e ficarmos nós deste lado a apontar o dedo. Devo lembrar é que para que se tenha moral para o fazer, é necessário que primeiro tenhamos feito nós, para depois termos motivos para criticar os outros. Depois dos bonecos e desta exposição, o que se segue? Mais um berro dedicado exclusivamente ao Processo de Bolonha, a falar mal a torto e a direito da AAFDL, do Conselho Pedagógico, do Directivo e de mais umas quantas pessoas, e mais uma vez tentem sair por cima com a típica frase do "nós estamos a fazer o nosso papel: denunciar. Já fizemos tudo o que podíamos, mas estamos sozinhos". São uns patinhos feios. Ninguém os compreende! O que é certo é que fazer uma exposição destas, com consequências práticas e úteis = 0, não os tornam melhores do que ninguém. E se o trabalho da Tertulia é realmente os trabalhos manuais, creio que deveriam estar noutro tipo de curso, talvez uma Faculdade de Belas Artes, ou outro qualquer semelhante. Lá estariam como peixe na água.
Nota-se que eles têm jeito para artes manuais, mas não têm jeito para manifestações, ou actos com proveito útil. Cada pessoa falará por si, mas eu sinceramente, lidei perante esta exposição da mesma forma como olho para as outras a que assisto no dia a dia: desprezo e sem fé, no sentido de se chegar a algum lado com tudo isto. Logo, tenho a dizer que uma sanita com um caminho de ferro a anunciar o fim da linha, tem muito de engraçado, e uns bocados de contraplacados com uns dizeres alguns humorísticos, também. Até a receita está engraçada. Um dia destes vou experimentá-la aqui em casa, a ver se sai qualquer coisa relacionada com Bolonha, mais não seja uma massa bolonhesa "a la tertulia".
Quanto à questão "onde está o representante dos alunos", de entre os quais se incluiem os Conselheiros Pedagógicos, e nos quais me incluo eu, só tenho a dizer o seguinte: quando tomar posse, prometo pegar fogo naquelas reuniões. Enquanto não tomar posse, porque ninguém se mexe nesse sentido (existem pessoas competentes para o efeito), não posso dizer que represento quem quer que seja, a não ser eu mesmo. E tenho imensa vontade de ir lá e liderar o Conselho Pedagógico que jamais deixará morrer a questão de Bolonha, face aos alunos.
Para terminar, vou indicar-vos porque referi o PS no início deste post. O meu colega e amigo João Gomes, inspirando-se em parte de um post que dirigi aqui à AAFDL, decidiu fazer um post no blog do NES, alusivo a esta questão da exposição tertuliana. Sem sombra de dúvida, que ainda sendo ele do PS, ou não, quando as pessoas têm razão, temos que lhas dar, e confesso que me deliciei com o texto, porque realmente serviu de complemento àquele que escrevi aqui recentemente.
Ora tomem atenção à pérola:
"Parece que a TL está a fazer das suas e brindou a nossa academia com uma retrete no átrio da faculdade. A juntar à "exposição" temos vários cartazes que terminam a questionar onde está o representante dos alunos. Frase que motiva alguns gracejos quando vemos a comissão permanente encarregue de Bolonha, que até tem um membro da TL e que os próprios conselheiros pedagógicos da FDL ainda não perceberam qual foi o critério da sua escolha.
Mas a lógica parece imperar: primeiro alguns (pseudo) intelectuais, depois (talvez) a AAFL, um dia o NES (?!)..."

fonte: Blog do NES

Subscrevo, e para quem não se recorde da crítica que já apontei aqui neste blog à actuação da AAFDL, aqui vai o link para o referido texto-> Perguntas do Nosso tempo Sobre a AAFDL

sábado, março 18, 2006

Finalistas...

Agora que estamos em tempo de entregar fitas aos amigos, colegas, conhecidos, professores, funcionários e afins... deixo algumas sugestões a algumas pessoas, sobre as pessoas ideais a quem devem pedir que lhes assinem uma fita, com direito a dedicatória:

Alexandre Guerreiro - Florbela Pires
Diogo Saramago - Sérgio do Cabo
Delfim Santos - Sónia Viana
Fernando Caetano - Maria João Palma
Bruno Cabral - Paulo Otero
Luís Máximo - Corpo Docente completo de História do Direito
Mariana - Lourenço de Freitas
Pedro Barreiro - Nuno Aureliano
Tatiana Gouveia - Nelson Bernardo
Domingos Vazquez - Marchante
Zé Gay - Luís Duarte de Almeida
Aninhas Cruz - Paulo Nascimento
Subturma 2, do 4º Ano, de 2004/05 - Pedro de Albuquerque

Os 30 Anos da Constituição

A FDL está a organizar um programa de festas em comemoração aos 30 anos da Constituição. O programa promete. Mesmo para quem não goste muito de conferências, os convidados e o programa, prometem.
Passo a referir:

27 de Abril de 2006
10 Horas – Sessão de abertura
1.ª Mesa-redonda (11horas)
CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA
Moderador: Prof. Jorge Miranda
Prof. Vieira de Andrade
Prof. Vasco Pereira da Silva
Prof.ª Cristina Queiroz
Mestre Miguel Galvão Teles

2.ª Mesa-redonda (15horas)
SISTEMA POLÍTICO
Moderador: Prof. Marcelo Rebelo de Sousa
Prof. Barbosa de Melo
Prof. Vital Moreira (a confirmar)
Prof. Paulo Otero
Prof.ª Lúcia Amaral
Prof. Jorge Novais

3.ª Mesa-redonda (17horas)
ESTADO SOCIAL
Moderador: Prof. Gomes Canotilho
Prof. Paulo Ferreira da Cunha
Prof.ª Maria João Estorninho
Prof. Rui Medeiros
Prof. João Loureiro

28 de Abril de 2006
4.ª Mesa-redonda (10 horas)

CONSTITUIÇÃO E EDUCAÇÃO
Moderador: Prof. Cardoso da Costa
Prof.ª Maria da Glória Garcia
Prof. Jónatas Machado
Prof. A. Oliveira Martins
Prof. Jorge Bacelar Gouveia
Prof.ª Luisa Neto (a confirmar)

5.ª Mesa-redonda (11h30m)
CONSTITUIÇÃO E EUROPA
Moderador: Prof. Fausto de Quadros
Prof. Blanco de Morais
Prof.ª Maria Luisa Duarte
Prof.ª Ana Maria Martins
Prof. Nuno Piçarra

fonte: FDL

sexta-feira, março 17, 2006

Caso prático

"Filipe, Daniel e David, estudantes de Direito, com o intuito de participarem numas Jornadas de Direito Processual Civil, dirigem-se ao local da inscrição e aí perguntam se os estudantes têm direito a entrada livre, pois tinham ouvido rumores que tal estava a ser ponderado pela organização do envento. As senhoras da secretaria afirmam que não se permitiu tal situação, o que fez com que cada um dos alunos pagassem 60 euros. No dia do evento, após uma hora do início do mesmo, estes alunos vêm outros colegas a entrarem no recinto do evento, gratuitamente, e ficam indignados, pois estavam todos os outros alunos a preeencher um formulário, que lhes permitira obter o respectivo diploma de participação, que os protagonistas da situação também teriam direito, no final do evento. Dirigem-se à organização do evento, que não lhes dão uma resposta concreta, e não se mostram dispostos a devolver a quantia despendida pelos intervenientes.
Filipe, David e Daniel querem que lhes seja devolvido o dinheiro da inscrição."
Quid iuris?

quinta-feira, março 16, 2006

Ele é que sabe...



Parece que as primeiras medidas de Cavaco Silva enquanto Presidente da República foram mandar pintar o Palácio de Belém de cor-de-laranja e mudar o nome do mesmo para Palácio de São Cavaco.
PS:Há também quem diga que o novo Presidente pretende acabar com os tradicionais Pastéis de Belém e incrementar a venda tradicional de bolo-rei, mas até agora não me confirmaram essa iniciativa.

O Mestre



Foram precisos quase 5 anos para eu e os meus colegas estarmos ansiosos pela hora de uma aula teórica. E tudo responsabilidade deste grande Professor, Vasco Pereira da Silva, qeu lecciona Direito do Ambiente. Mas eu propunha que ele regesse todas as cadeiras, é certo qeu as aulas estavam todas cheias só para o ver. Já há muito tempo que não olhava para o relógio pela primeira vez numa aula e reparava que já estava no fim da mesma. Com VPS o tempo passa, mas a tenção permanece!

Fica para sempre imortilzado o seu riso frenético, as suas tiradas geniais, como "poluição legislativa", "um aumento de uma coima é a substituição de um porco por dois ou três porcos", "os chineses gostam tanto de proteger o urso panda que metem os avisos para os protegerem em inglês, e eles só falam em chinês", "a universidade de Londres estaria cheia de vacas loucas a passarem de um lado para o outro", "Agora as más notícias: amanhã têm teste! AHHAHAHAHAHAHAHHAHAHAH!" entre outras.

Viva o grande Mestre! Vasco Pereira da Silva DOMINA! E as suas gravatas ainda mais!


P.S. Quem quiser certificar-se do qeu eu digo, apareça que não se vai arrepender!

Agora que eu até já começava a gostar de algumas coisas do Governo PS... tinham que vir com uma (má) alteração à Lei da Imigração

O Governo decidiu alterar a Lei da Imigração. Dantes, para se conseguir visto de residência em Portugal, era necessário ter-se trabalho garantido, o que me parece muito razoável, tendo em conta que Portugal não pode albergar toda a gente que para cá queira vir morar, além de afastar situações de virem para cá imigrantes, que depois acabavam no mercado negro laboral, com salários inferiores ao salário mínimo nacional, além de que os protegia, pois ao terem emprego garatindo era sinónimo que alguma fonte de subsistência teriam para viverem condignamente em Portugal. Pelos vistos, com esta nova redacção, creio que vão aumentar os casos de pessoas a mendigarem nos semáforos (ainda hoje vi dois romenos a pedirem), mulheres de leste a trabalharem em casas de alterne, além de irmos assistir à exploração de imigrantes por empregadores sem princípios. Porque é uma hipocrisia dizer-se que esta nova lei protege e favorece a integração! Pura ilusão! É rídiculo pensarmos assim porque numa altura de crise económica, com o desemprego a aumentar, o que vai acontecer é que os sentimentos racistas e nacionalistas vão fortalecer-se, além de que se os imigrantes não tiverem emprego, podem incorrer na vida da marginalidade, o que só vai piorar a sua sitaução, tal como as dos imigrantes que já cá moram e que estão totalmente integrados na nossa sociedade.
Sejamos racionais e sensatos: Não há espaço para toda a gente em Portugal. só podemos acolher o que pudermos, mais do que isso é errado e revela falta se sensibilidade social e do mundo real.

Votem nele

José Maria Martins vai avançar com uma lista para concorrer à Ordem dos Advogados. E já fez a primeira promessa: "Acabar, definitivamente, com a cadeira de Deontologia Profissional. Não faz sentido a sua existência".
Querem votar nele?

quarta-feira, março 15, 2006

A prova em como o factor C ainda funciona... e bem!

Sociedade A: "Ora, nós aqui trabalhamos com Direito Privado apenas".
Colega D: "Ah... mas eu sou de Direito Público e não percebo nada de Direito Privado...".
Sociedade A: "Não tem problema nenhum. Se quiser estagiar aqui, ligue-me depois".

terça-feira, março 14, 2006

Presidente da Junta Tarado

"O ex-presidente de uma junta de freguesia do concelho da Guarda deixou levar-se pelo famoso “me liga vai” e terá gasto 49 mil euros em chamadas telefónicas para linhas eróticas, em menos de três meses. Quando chegou a factura, o autarca demitiu-se e a Portugal Telecom (PT) penhorou três terrenos para recuperar a dívida. Os bens foram vendidos ontem em Tribunal."

fonte: Correio da Manhã


Soube-se entretanto, que a Junta já não tem terrenos e ainda tem uma larga fatia da dívida por pagar! Ainda dizem que a maioria tem sempre razão e que a democracia é o melhor dos métodos! Mais uma vez se prova que o povo não sabe fazer uso da democracia e não sabe sequer o que é "gerir" e "votar conscientemente".

segunda-feira, março 13, 2006

O Benfica...

Sou Benfiquista! Mas sou mesmo! Porém, irrita-me imenso ver o meu clube fazer um brilharete na Europa e depois internamente dizerem que não têm motivação. Com isto tudo, o Sporting e o Porto já lá vão disparados e com uma distância que à beira do fim da Liga, começa a ser cada vez mais impossível de recuperar e o Braga começa a assumir-se como 3º classificado.
Se querem que vos diga, era muito bem feito Porto, Sporting e Braga acabarem nos três primeiros lugares e o Benfica não conseguir sequer a pré-eliminatória da Champions no ano que vem. Talvez assim, consigam voltar a descobrir a motivação interna! É o que dá não termos estado lá durante alguns anos. De repente descobriram o que é o orgasmo e não querem outra coisa, chegando a esquecer-se dos preliminares!

domingo, março 12, 2006

Hino ao dia de hoje

Que belo dia de domingo que esteve hoje.
Parecia um dia de primavera. Pelo menos a julgar pela temperatura e pelo céu limpo. No entanto ainda faltam alguns dia para o começo da primavera.
Muitas pessoas deviam aproveitar dias como estes para dar uma volta ao ar livre e aproveitar o ar fresco.
Pelo menos foi o que fiz... aproveitei o dia de hoje para apanhar um pouco de sol e recuperar o folego para a semana que se prepara para começar.
Até amanhã!

Perguntas do nosso tempo sobre a AAFDL! (Parte II)

Foi com orgulho e com sensação de dever cumprido, que terminei o meu mandato à frente da AAFDL. Porém, uma coisa ficou encravada e dificilmente sairá (pelo menos até que se resolva). A questão das auditorias feitas à FDL.
De início ainda começámos a tratar esta questão, e parecia que todos tinham vontade em resolvê-la e em entregar tudo aquilo que era conhecido às pessoas competentes para fazer rebentar a bomba. Porém, isso durou pouco. Porque logo começaram os medos de represálias e outros afins. Não se pediu a ninguém que o fizesse às descaradas, mas tinha que haver aqui um savoir faire. Algo que não se verificou. Pelo contrário! Não só naõ se verificou, nem se fez, como se abafou a questão. Eu e alguns colegas, chegámos a apontar soluções (bastante válidas), que não vou indicar aqui publicamente, mas que eram bastante viáveis e poderiam acabar com a vergonha na FDL. A resposta foi a do costume "Ah sim... já vemos isso". E com este tipo de resposta adiou-se constantemente a oportunidade de fazermos história uma segunda vez, e de acabarmos com a vergonha na FDL, além de nos por, pela 1ª vez, com a faca e o queijo na mão, face aos professores "todo-poderosos".
Com tudo isto, e dado que ocorreu no final do nosso mandato, fiquei com a esperança de ver a nova Direcção tratar do assunto. Tendo essa esperança, abordei os vários dirigentes associativos, no sentido de não deixar morrer esta questão! História poderia fazer-se e muitos "grandes", intocáveis, poderiam ser até presos, caso se ficasse com a garantia de muita coisa. E com a solução que eu e alguns demos (a minha até parecia ser a melhor, tal como a de outro colega), tudo se saberia e descobriria. Porém, mais uma vez a conversa do enrolanço, do género "ah sim, vamos ver isso..." voltou ao de cima. É frustrante termos deixado isto por fazer, e permitir que a AAFDL continue sem nada fazer!! É imperativo agir! Sem medo! Agir, por uma questão de verdade, justiça e transparência!

As perguntas são:
1- Terá a AAFDL assim tanto receio em pegar nesta questão? Se sim, porquê? Se não, porquê a passividade?

2- O que ganha a AAFDL, actualmente, em manter esta situação delicada em silêncio?
3- Quererá a AAFDL manter esta situação no silêncio? Se sim, porquê? Se não, porquê a passividade?
4- Qual a posição dos alunos que se fazem representar no CD (os do Pedagógico não se sabe, nem interessa, dado que são eternamente discriminados pela AAFDL)? Não fazer nada também?

sábado, março 11, 2006

Abril... Brasil!

Em vésperas de alguns de nós irmos para o Brasil, deixo-vos com uma poesia para ajudar a integrar na forma de estar deste país, todos aqueles que não têm grandes conhecimentos de como aquilo funciona. O poema fala sobre classe alta e classe baixa. Assim, quando forem ao Brasil, já sabem tratar as coisas pelos nomes!

Pássaro de rico é canário,
pássaro de pobre é urubu,
rabo de rico é ânus,
e rabo de pobre é cu.

Moça rica é bacana,
moça pobre é xereta,
a periquita da rica é vagina,
a da pobre é buceta.

Rico correndo é atleta,
pobre correndo é ladrão,
ovo do rico é testículo,
e do pobre é colhão.

O rico usa bengala,
o pobre usa muleta,
o rico se masturba,
o pobre bate punheta.

sexta-feira, março 10, 2006

Tristeza


Foi com muita tristeza que registei que não foi comemorado na FDL o aniversário do encerramento da Faculdade há um atrás. Alias, julgo mesmo que apenas neste blog se relembrou o que se passou me Março de 2005, o que deixou desanimado. Tudo o que foi vivido e sentido de forma emocionante e vibrante, caiu pelois vistos no puro esquecimento. Nem um único cartaz, nem uma exposição fotográfica, NADA foi feito para que a Academia relembrasse aqueles dias históricos. Julgo mesmo que as pessoas até se sentiam inibidas de falarem nisso, sempre que o assunto era abordado. Não foi este o espírito que nos uniu nesse passado glorioso. Não foi o esquecimento, o não dar importância às coisas que fizeram com que centenas de alunso da FDL se gritassem em uníssono contra a tirania e a injustiça que reinava na Faculdade. Sinto-me triste por não termos assinalado esta data com a devida consideração que ela merecia. Como é que queremos que os mais jovens saibam o que se passou, se nada lhes é dito? Com que legitimidade lhes pudemos pedir, se for necessário, que se unem e que lutem, se nós não demos valor devido este ano?
Isto não uma crítica a ninguém em particular. É uma crítica a todos os que deveriam lembrar à Academia que a Força da FDL somos nós. Mas este ano, não somos. Este ano voltamos a ser o que fomos durante muitos anos, uns carneirinhos que tudo aceitam.
É pena. Aguardemos dias melhores.

Para matar saudades...