quinta-feira, fevereiro 16, 2006

O protesto dos estudantes do Secundário




Estava hoje eu a ver as notícias e verifico que houve uma manifestação dos estudantes do ensino secundário. Reivindicam os jovens estudantes:

-Fim dos Exames Nacionais;
-Fim das aulas de 90 minutos;
-Fim das aulas de substituição;
-Diminuição da carga horária semanal;
-Introdução da educação sexual nas escolas;
- etc...


Eu pergunto-me, para a próxima vez será que vão reivindicar:

-A diminuição das aulas para 30 minutos;
-O fim dos testes de avaliação;
-A introdução da disciplina "defesa dos gays";
-O fim dos livros;
-O fim das disciplinas de Português, Inglês, Matemática;
-etc...



Opinião pessoal: são todos é uma cambada de meninos que não querem fazer nadinha para serem alguém na vida, querem é tudo feito, sem o mínimo esforço. Cresçam e apareçam!

5 comentários:

DJ disse...

É típico nos portugueses, procurar sempre a via do facilitismo! Isso verifica-se em vários campos da nossa sociedade (para não dizer todos), e o vício começa desde bem cedo. Sou a favor das manifs com efeito útil, prático e que além de um bocadinho de barulho, passem a actos! Agora, fazer barulho por fazer, ou só para faltar às aulas e depois voltarem todos para casa, sem nada feito na prática, sou contra, e com motivos destes mais contra sou!
Realmente, concordo com o poeta irreverente: qualquer dia vêm propor o fim dos livros, e passagens administrativas para todos!
Tenham juízo, putos!

PedroSilveira disse...

Se nós com mais 4 ou 5 anos que eles vimos as suas reivindicações do modo como vocês o fizeram eu nem quero imaginar o que uma pessoa de 30 ou 35 pensará das nossas quando nos manifestamos.

Não obstante concordar que será provável que 75% daqueles jovens não estão minimanente interessados efectivamente no que proclamam, acho que temos de ser um pouco mais tolerantes. Até porque em muitas das coisas, como a Educação sexual, têm toda a razão. Esta, aliás, nem é uma decisão meramente política, devido aos Kgs de relatórios e pareceres feitos por psicólogos e técnicos.

DJ disse...

O problema é fazer duma manif, um coro de gritos e não fazer mais nada a não ser rimas reles típicas de um zé povinho pouco criativo na forma de reivindicar o que pretende! As manifs têm que ser seguidas de outro tipo de actos, do mesmo género como os que fizemos na FDL em Março de 2005!

Gonçalo Pereira disse...

Poeta Irreverente, o que mais me arrelia nem é tanto as manifestações dos putos... honestamente acho aliás, que é de louvar o movimento - ainda que insípido - destes pequenos jovens. Qual de nós não gritou já palavras de ordem que nem sempre foram pesadas e medidas? Qual de nós não se deixou já tentar pelo argumento fácil - muitas vezes potenciado pelo fervor contestatário? A ignorância acerca de alguns elementos da equação leva, não raras vezes, a que se afirme com convicção algo que cai por terra com a simples divulgação de um facto que era desconhecido...Mas nada disso me preocupa particularmente... O que já me arrelia é, isso sim, quando assisto a conversas de supostos dirigentes associativos que - no alto da sua sapiência - proferem autenticas lições doutorais acerca dos mais variados temas da Política Educativa nacional, sem o menor conhecimento dos dossiers... isso sim é triste... pessoas com (alguma) formação universitária que, tão mal representam os seus colegas. Aí sim as coisas tornam-se graves. O período de formação universitária é, a meu ver, o "palco" das mudanças de carácter, para melhor e para pior. Se os miudos se "picam" com as manifs, tanto melhor... o problema não está neles.. nem se diga que o problema está na educação que os pais lhes dão... o problema está num país sem causas, num país que pede licença, num país que pede para ser metido no mesmo saco que os congéneres da União Europeia - "se não for incómodo"... o problema não está nos putos. O problema nasce quando os, "já não tão putos", insistem em não fazer da Universidade um instrumento para abrir os olhos e para fazer algo de realmente útil...
As manifestações de ontem não são mais do que - poeticamente falando - um grito de alma de uma geração que quer ter qualquer coisa para dizer... que quer ser ouvida.
Agora os outros... esses sim. Esses fazem-me azia.


P.S. Parabéns pelo 1º Aniversário de Blog! Continuem assim!
Gonçalo Pereira

Pedro Malaquias disse...

"As manifestações de ontem não são mais do que - poeticamente falando - um grito de alma de uma geração que quer ter qualquer coisa para dizer... que quer ser ouvida."

Discordo. A manifestação de ontem foi mais uma forma de não ir às aulas.

Pedro Malaquias @ http://eupensoisto.blogspot.com