terça-feira, março 15, 2005

O Mau feitio

Eu estou farto de dizer, vezes sem conta, que há tipos que certamente não nasceram para dispôr de tempo de antena (Ex: Louçã e os seus amigos bloqis). Sem dúvida, um desses tipos, é um tipo que como não consegue ter um espaço reservado como comentador de horário nobre (como o Marcelo Rebelo de Sousa, que continua hipocritamente a dar uma de Rei Salomão e de D. Sebastião ao mesmo tempo). Esse tipo, ousou opinar para a coluna do DN, "Opinião", e falar do mau feitio do Sócrates (Para quem não sabe, clique nesta expressão de cor diferente e poderá ler a opinião do dito senhor).
Estive aqui a conter-me, a ver se não falava deste tipo, mas após ler a coluna dele vezes sem conta, é realmente impressionante a forma como este indivíduo se manifesta de forma troglodita e sem conhecimento de causa, e sobretudo refere-se aos alunos de Direito, como se nós fizessemos da Faculdade um autêntico Cabaret da Coxa. Este tipo de gente, devem ser daqueles tipos que a semana passada, enquanto nós lutavamos, passavam na Faculdade a gritar "Paguem chulos!", como que pensando que aquilo tudo que se passava, era pelas propinas. Eu sei que ele até refere na coluna dele a questão dos exames, mas, sem dúvida que se ele fosse uma pessoa com conhecimento profundo da questão, não mandava o Sócrates dar-nos "tau tau", e jamais vulgarizaria a Faculdade de Direito de Lisboa. Eu sei que o Artigo 37º da CRP promove a Liberdade de Expressão, mas... há mínimos!

1 comentário:

O_Pombo disse...

A imbecilidade do autor torna-se patente no trecho "E vai apanhar de certeza uma fúria quando tiver de mandar para casa os membros do conselho directivo que aceitaram a reivindicação dos meninos".

Se por "mandar para casa" entende o autor do artigo, em linguagem de carroceiro, "demitir" titulares do órgão Conselho Directivo, lamento ter que corrigir o autor de tamanho disparate: os poderes de tutela exercida pelo Governo sobre as universidades e faculdades que as integram (pessoas colectivas públicas inseridas na administração autónoma) não integram tal faculdade - para saber isso é preciso fazer um pouco mais na vida do que andar a fechar faculdades (actividade que, segundo o autor do artigo, ocupará grande parte do nosso dia-a-dia), ou a escrever artigos mentecaptos em jornais sem o mínimo de conhecimento de causa.